abril 26, 2009

Crónica Semanal do Ricardo Araújo Pereira

Edicão 26/04/09 A Bola

Ninguém pode acusar Paulo Bento de ser incoerente: quando o Sporting é prejudicado, critica a arbitragem; quando o Sporting não é prejudicado, também critica a arbitragem. Na dúvida, critica sempre a arbitragem. Se os árbitros não cumprem as regras, fica furioso; se cumprem, fica possesso. A razão parece-me evidente: Paulo Bento, na verdade, não sabe as regras. Por exemplo, quando se queixa de que João Moutinho viu um amarelo logo à primeira falta, em Guimarães, revela desconhecer que o critério para a exibição do amarelo é a gravidade da infracção, e não o facto de ser a primeira, a quinta ou a décima nona. Quando diz que o golo do Sporting não deveria ter sido invalidado, mostra que ignora a existência de uma infracção chamada pé em riste. Só tem razão quando estranha que Derlei tenha visto o cartão amarelo. De facto, devia ter visto o vermelho por acumulação: se o árbitro tivesse feito o seu trabalho, Derlei já estaria amarelado desde a primeira parte, depois de ter protagonizado uma das mais patéticas simulações de penalti desta temporada.
A minha proposta é que Paulo Bento passe a arbitrar os jogos do Sporting. Poupava-se muito tempo e páginas de jornal, porque só há um profissional cujo trabalho Paulo Bento não critica no final dos jogos: Paulo Bento.
ASAD do Porto pôs-se a pensar e descobriu que aquilo que faz falta ao futebol português é que os árbitros protejam mais os jogadores portistas. O comunicado da SAD falava em «jogadores talentosos», mas o que eles queriam dizer era «jogadores portistas». É linguagem codificada, como aquela conversa da fruta e do café com leite. Eles são bons nisso.
Émais um caso humorístico do futebol português: o clube de Frasco, André, Jaime Pacheco, Fernando Couto e Paulinho Santos emitiu um comunicado a queixar-se dos caceteiros. Qualquer dia estão a emitir um comunicado a condenar esses dirigentes que convidam árbitros para um cafezinho em sua casa. No fundo, trata-se de uma hipocrisia espectacularmente múltipla: por um lado, a equipa que passou a década de 90 a rebentar à cotovelada o maxilar de um dos mais talentosos jogadores do futebol português está indignada com esses sarrafeiros que andam para aí a lesionar artistas; por outro, eles sabem perfeitamente que a melhor maneira de proteger os jogadores talentosos do plantel do Porto é pôr o Bruno Alves a treinar-se à parte. Talvez o comunicado seja um recado para o Bruno Alves. Para a próxima, chamem-no à parte e digam-lhe em privado. Assim, envergonham o rapaz.

Sem comentários: