dezembro 27, 2015

Prémio “Best Academy of the Year”


“Inovação é o nosso grande sucesso”

O SL Benfica foi, este domingo, distinguido com o prémio “Best Academy of the Year” na sétima edição dos Globe Soccer Awards, que decorre no Dubai até segunda-feira.

A representar o SL Benfica esteve o presidente Luís Filipe Vieira que subiu ao palco no Hotel Madinat Jumeirah Resort, onde recebeu das mãos do treinador Fabio Capello o prémio pelo trabalho desenvolvido no Caixa Futebol Campus.

“Primeiro, quero agradecer à organização este prémio e dizer-lhes que é um prémio da visão e forte investimento que tivemos na Formação. Este é também um prémio para a vontade grande que temos de ter jovens formados no Seixal na nossa equipa principal, o que não se via há décadas”, começou por dizer o líder “encarnado.

Inaugurado a 22 de Setembro de 2006, o centro de formação e treino marcou o início de uma nova era no SL Benfica. Tem sido desde então, o local que alberga não apenas a equipa principal do SL Benfica, nas suas múltiplas sessões de trabalho, como é também, literalmente, a casa de todo o futebol “encarnado”, vivendo ali muitos dos elementos integrantes das camadas jovens do SL Benfica.

“Hoje o Benfica tem grandes talentos, de certeza fruto de um trabalho árduo e principalmente do grande investimento que temos feito na competência dos nossos treinadores. Vamos investindo cada vez mais na inovação, diria eu que é o grande sucesso que temos neste momento, que se conjuga com o capital humano, as pessoas, a maneira como abordamos todo o mercado”, explicou.

“Quero dedicar o prémio a todos os benfiquistas!”


O centro, que começou a ser construído em Fevereiro, inclui também uma série de infra-estruturas paralelas, como um centro de alojamento com 64 quartos, serviços administrativos, auditório, instalações para a imprensa, refeitórios e balneários.

FG/IA
Fotos: Globe Soccer

dezembro 13, 2015

V. Setúbal - SL Benfica, 2-4


“Águia” voa alto nas margens do Sado


O estádio do Bonfim recebeu a 13.ª jornada, com o jogo entre o V. Setúbal e o Benfica. Desde logo realce para a ausência de Gaitán, ausente do encontro devido a lesão contraída com o Atlético de Madrid, na última terça-feira.

Depois de, em Braga, Rui Vitória ter colocado a equipa a jogar num sistema de 4-5-1, na cidade das margens do Sado, o técnico optou pela tática que mais vezes tem usado esta época: 4-4-2, com Jonas e Mitroglou na frente de ataque.

O jogo começou vivo, muito disputado a meio-campo, com muita intensidade e com as duas equipas a tentarem surpreender através de transições rápidas. O primeiro sinal de perigo saiu mesmo do pé direito de Jonas aos sete minutos, com um remate de fora da área para defesa de Ricardo.

Com o passar dos minutos, o Futebol assentou e o Benfica tomou conta da posse de bola e acercou-se da área sadina. À passagem do minuto 20, de novo Ricardo em ação, com uma intervenção a um cabeceamento perigoso de Lisandro. A equipa da casa sentia dificuldades em sair da pressão alta exercida pelo Benfica e só raras vezes conseguiu apanhar a defensiva Benfiquista desprevenida como aconteceu ao minuto 25, com Suk a rematar ao lado após roubo de bola de André Horta a Samaris, que endossou logo ao coreano.

Havia cada vez mais Benfica no Bonfim e o golo acabou por surgir aos 35’. Passe de André Almeida para Pizzi, este bailou na área e rematou forte. Ficou a ideia de que Ricardo foi mal batido. Três minutos volvidos, novamente André Almeida no papel decisivo do último passe ao fazer um cruzamento com conta, peso e medida para a cabeça de Jonas. Estava feito o 0-2.

O jogo foi assim para o intervalo e no reinício, o Benfica esteve perto do 0-3! Rúben Semedo perdeu a bola, Jonas saiu isolado, Ricardo tapou-lhe os caminhos da baliza, o brasileiro passou para Mitroglou que rematou para as mãos de Ricardo (48’). Não foi neste lance, foi no seguinte. Jonas descobriu Mitroglou a fugir nas costas da defesa sadina e o grego, só com Ricardo pela frente, atirou a contar (54’).

Djuricic estreia-se e mexe com o jogo


Quando se esperava que o jogo ficasse mais tranquilo para os da Luz, eis que o V. Setúbal acordou. À passagem do minuto 58, Suk trabalhou bem na área, rematou, o esférico vai ao poste e na recarga Vasco Costa reduz. Estranhamente, o Benfica sentiu o tento sofrido e percebeu isso o conjunto da casa, que fez subir as linhas, exerceu maior pressão, com a bola a rondar a área “encarnada” nos minutos seguintes. O 2-3 esteve eminente aos 74 minutos, de novo, por Vasco Costa.

Antes deste lance parece ter ficado por marcar uma grande penalidade a favor do Benfica por falta sobre Djuricic.

O tento da tranquilidade surge aos 79 minutos. Djuricic arrancou até à área contrária, assistiu Gonçalo Guedes que não conseguiu marcar. A bola sobrou para Mitroglou que rematou ao poste. O esférico resvalou para Ricardo e entrou na baliza. Azar para o guardião sadino.

Uma vez mais, o V. Setúbal não se deu como vencido e aos 88’, Suk desviou para o 2-4, contudo insuficiente para evitar o desaire.

O Benfica alcança a quinta vitória consecutiva na Liga NOS e soma 27 pontos na classificação. O calendário Benfiquista fica acertado na 3.ª feira, às 21h00, com o U. Madeira.

O Sport Lisboa e Benfica alinhou com Júlio César; André Almeida, Lisandro, Jardel, Eliseu; Samaris, Renato Sanches (Fejsa, 80’), Gonçalo Guedes, Pizzi; Jonas (Djuricic, 69’) e Mitroglou (Raúl Jiménez, 87’).

Marco Rebelo
Fotos: João Paulo Trindade / SL Benfica