junho 07, 2009

Crónica Semanal do Ricardo Araújo Pereira

Edição 31/05/2009 A Bola

Para os Albaneses verem quem manda aqui.....


Quando Carlos Queiroz disse que não gostaria de estar na pele dos albaneses, percebi-o perfeitamente. Para a 92.ª selecção do ranking da FIFA, jogar duas vezes contra o 4.º classificado do último Campeonato do Mundo, empatar um jogo com dez jogadores e perder o outro nos descontos deve ser uma humilhação histórica. Calculo que hoje seja dia de luto na Albânia. Os portugueses, tenho a certeza, também não gostariam que Carlos Queiroz estivesse na pele dos albaneses. O problema é que os portugueses preferiam que Carlos Queiroz não estivesse na pele de Carlos Queiroz. O nosso sonho era que ele estivesse na pele do seleccionador da Dinamarca, que tem a qualificação para o Mundial praticamente garantida.
Confesso que não sei se Scolari é bom ou mau treinador. A única coisa que sei, até porque os factos se encarregam de mo mostrar, é que Scolari foi o melhor seleccionador de sempre de Portugal: qualificou-se para todas as competições e foi vice-campeão da Europa e quarto classificado no Mundial. Nenhum outro conseguiu o mesmo. A herança de Carlos Queiroz, de que tanto se fala, foi, portanto, esta: foi obrigado a suportar o fardo de tomar conta da selecção que melhores resultados conseguiu na história do futebol português. Scolari, talvez seja bom recordar, herdou a selecção do alho nos balneários, das ribaldarias em Macau, dos sopapos ao árbitro do Portugal-Coreia. No entanto, a generalidade dos analistas considera que Scolari prejudicou gravemente a Selecção Nacional, ao passo que Queiroz tem feito um trabalho brilhante para nos salvar da perdição. Se a Selecção Nacional perde em casa com a Dinamarca, o prof. Carlos Queiroz é excelente porque a equipa pratica um futebol muito agradável. Se a Selecção Nacional pratica um futebol fraquíssimo contra a Albânia, o prof. Carlos Queiroz é excelente porque conseguiu os três pontos nos últimos minutos e calou muitas bocas. Enfim, há treinadores que falham sempre, mesmo quando acertam, e outros que não falham, mesmo quando não acertam nunca.
A verdade é que o prof. Carlos Queiroz é um treinador único. Sobretudo no sentido em que é o único treinador que eu conheço que, tendo à disposição Simão Sabrosa e Nani, escolheria Luís Boa Morte como primeira opção. É possível que haja apenas uma posição na qual a selecção de Portugal não tem qualquer problema: a de extremo. Carlos Queiroz conseguiu arranjar um. É preciso talento.
Quando se lamenta a escolha de Quique Flores para treinador do Benfica, é importante não esquecer que Carlos Queiroz chegou a ser hipótese. Muita sorte tivemos nós.

Sem comentários: