junho 01, 2012

Jogo Limpo _ António Pedro Vanconcelos


Vale tudo!

No espaço de poucos dias, Pinto da Costa referiu-se ao Benfica, sem o nomear (o simples facto de o nomear parece que lhe queima a língua) como sendo “o clube do tempo do fascismo”, e chamou “burros” aos benfiquistas, sem nunca os nomear (a sigla do clube só é usada quando os adeptos e jogadores precisam de se animar com uns cânticos onde chamam nomes às mães dos adeptos do clube dos mouros), a propósito da nomeação de Pedro Proença para apitar a final da Champions. O país não se indignou. A imprensa desportiva assobiou para o lado. O estatuto de impunidade dá o direito a PC de insultar quem quer, de caluniar quem lhe apetece e de incitar ao ódio e à violência sem que ninguém o incomode.

Uns dias depois, no Dragão Caixa, o Benfica sagrou-se campeão de basquetebol, vencendo com dificuldade mas com mérito um adversário de grande qualidade, o que deu mais brilho à vitória. No final de um jogo em que o árbitro não interferiu no resultado, os treinadores cumprimentaram-se, como mandam as regras do fair play.

Mas, quando o jogo acabou, a culminar um clima de insultos e intimidação, os ânimos dos adeptos do FCP exaltaram-se. Agrediram os jogadores, levando a que a polícia não conseguisse garantir a ordem e a segurança e que a Taça fosse entregue ao vencedor nos balneários. Ao que se diz, Carlos Lisboa, treinador do Benfica, não terá resistido a responder às provocações e aos insultos com um gesto menos elegante. Tanto bastou para que o chefe do FCP entrasse no ringue e virasse o ónus da violência para o clube vencedor (como fizera com os famosos túneis da Luz), e vituperasse o comportamento da polícia que tentou, em vão, meter os adeptos do FCP na ordem.

No dia seguinte, Luís Filipe Vieira decidiu finalmente responder ao chefe do FCP num discurso duro, pondo em relevo factos que são conhecidos da opinião pública. O que fizeram a maioria dos comentadores (incluindo alguns que se dizem benfiquistas!)? Meteram tudo no mesmo saco: os insultos de PC e o discurso de LFV, o gesto de CL e a violência dos adeptos do FCP. O medo impera. E o servilismo também.

In Record

4 comentários:

paulo disse...

que grande anormal... qual foi o jogador agredido ?

rui disse...

anormal es tu palhaço do caralho,volta pra tua terra.muita saude pra si senhor antonio pedro

Unknown disse...

A seriedade intelectual de APV está ao nível do gesto do Carlos Lisboa. A violência no desporto é comum a todas as bandeiras, mas esse discurso não interessa a certos senhores encarnados....por isso esquecem o autocarro do FCP a arder em Lx, o traumatismo craniano a um atleta do FC, a morte de um adepto so SCP, a entrada à pedrada num jogo de juniores com o SCP. Mas os treinadores deveriam estar acima de todas estas guerras porque têm também a responsabilidades pedagógicas junto dos seus jogadores. Mas como disse Eduardo Barroso (do SCP) na Bola "carlos lisboa não tem lugar no desporto nacional".

RedCristal disse...

Só os capangas do dragay é que teem lugar ????