agosto 20, 2009

Crónica Semanal do Ricardo Araújo Pereira

Desculpem o atraso mas devido ás férias, só agora pude colocar a crónica.
Falarei mais tarde da 1ªjornada e da Prata do Nelson Évora.

In ABola
Comente o seguinte texto

José Eduardo Bettencourt é um homem estranho. E não me refiro apenas ao facto de ter o cabelo todo branco e as sobrancelhas todas pretas. Aprecie o leitor esta pequena cronologia: no dia 22 de Maio, quando era ainda candidato à presidência do Sporting, Bettencourt elogiou o Porto. «A estrutura do FC Porto é muito eficiente. Liderada por uma pessoa, que todos sabem quem é. Tem pessoas ambiciosas, trabalhadoras e que põem os interesses do clube acima de tudo. São poucos. O Sporting tem uma estrutura desajustada. Tem pessoas a mais.» Esta semana, no dia 11 de Agosto, elogiou o Benfica: «É óptimo ver 62 mil pessoas no estádio, e não tenho pejo em reconhecer que os benfiquistas estão com motivos de orgulho e com expectativas muito altas», enquanto os sportinguistas não têm «tantos motivos de euforia e de entusiasmo». Em cerca de três meses, portanto, José Eduardo Bettencourt já elogiou o Porto e o Benfica. Só acerca do Sporting é que ainda não lhe registei muitas palavras elogiosas — mas não o censuro: tendo em conta o futebol apresentado e os resultados obtidos até agora, é preciso ter uma imaginação muito fértil para inventar um bom elogio ao Sporting.

Além desta louvável coerência, José Eduardo Bettencourt tem uma rapidez de compreensão que também se saúda. No dia 23 de Julho disse que não entendia «tanta preocupação» dos sportinguistas «com o Benfica». O adversário principal do Sporting era, quanto a ele, o Porto. E acrescentou ainda que o Benfica continuava igual ao que tinha sido nas últimas temporadas: «É a mesma data de reforços de há dois e há três anos. O que é que mudou? Só uma data de reforços». Escassas três semanas depois, o mesmo Bettencourt diz que o Benfica é, com o Porto, «favorito à conquista do título», reconhecendo que «fez boas contratações e está muito forte». Em menos de um mês, Bettencourt foi ao encontro da massa associativa, percebendo finalmente, e muito bem, a preocupação dos sportinguistas.

O problema do presidente do Sporting é que os sportinguistas também são estranhos. Depois de Bettencourt ter elogiado o Porto, 90% dos sócios do Sporting que foram às urnas votaram nele para presidente. Quando elogiou o Benfica, gerou-se um incomodativo mal-estar entre os adeptos. Foi então que Bettencourt disse que os seus elogios ao Benfica eram para ser interpretados livremente, o que é magnânimo: o presidente do Sporting não impõe aos adeptos uma grelha interpretativa das suas palavras. Cada um pode mesmo interpretá-las como quiser. Conceder liberdade aos outros é sempre uma atitude admirável em qualquer pessoa. Num confesso admirador de Góis Mota, é mais extraordinária ainda.

No fim da Eusébio Cup, o guarda-redes Quim foi herói. O problema é que só foi herói durante três centésimos de segundo. Entre a altura em que defendeu o último penalty dos italianos e o momento em que começou a mandar calar os sócios do seu próprio clube enquanto gritava «toma! toma!», foi herói. Não um grande herói, uma vez que, com todo o respeito pela Eusébio Cup, aquele jogo não era propriamente a final da Liga dos Campeões. Mas defendeu penalties, habilidade que, não fazendo de ninguém um grande guarda-redes (lembro-me, por exemplo, de um Ricardo), é agradável. Não tenho nada contra o Quim, antes pelo contrário. Mas prefiro guarda-redes que, em lugar de mandarem calar os sócios do seu clube, façam calar os dos clubes adversários, com as suas defesas. É por isso que espero que o titular seja Moreira.

Sem comentários: