setembro 12, 2015

SL Benfica – Belenenses, 6-0


Golos e dinâmica na antecâmara da Champions

4.ª jornada da Liga NOS

Boa moldura humana viajou até ao Estádio da Luz para ver a equipa de Futebol do Sport Lisboa e Benfica enfrentar o Belenenses. Rui Vitória operou três mudanças no onze: Jardel, Talisca e Gonçalo Guedes entraram para os lugares de Lisandro, Pizzi e Victor Andrade, respetivamente.


Os célebres 15 minutos à Benfica mantiveram-se mas inverteram no tempo. Desta feita apareceram no início do desafio. Entrada forte do Bicampeão Nacional com golos de Mitroglou e Jonas, aos cinco e aos 17 minutos, e que terminou em 6-0. Realce para alguma passividade defensiva por parte dos homens às ordens de Sá Pinto que permitiram ainda um remate à meia volta de Gonçalo Guedes com Ventura a opor-se bem (16’).

Diferente para melhor o Benfica que apareceu esta sexta-feira na Luz. Muito dinamismo, variações entre o jogo interior e exterior que baralharam marcações e abriram brechas na defensiva “azul”, muito jogo entrelinhas e pressão alta sobre o portador da bola obrigaram o Belenenses a apresentar um Futebol curto, algo confuso e que pouco assustou o adversário.

Mesmo a vencer por 2-0, o Benfica manteve a toada atrevida. Jonas voltou a estar perto do golo aos 33 minutos depois de passes de cabeça entre Mitroglou e Jardel – à Futebol de Praia. Adivinhava-se mais estragos na baliza de Ventura e assim foi. Minuto 40, Gaitán marca um canto, Samaris desvia e na pequena área, Jonas bisa no encontro. Foi o primeiro tento do Benfica após a marcação de um pontapé de canto esta temporada.

Depois de uma primeira parte amorfa, o Belenenses entrou mais acutilante no segundo tempo. Pé esquerdo de Luís Leal foi o responsável por obrigar Júlio César, aos 49’, à primeira estirada da noite. Responderam as “águias” com o 4-0. Gaitán bailou na esquerda, e a bola chegou a Mitroglou, com um passe de um jogador “azul”, para o golo (53’). O grego bisava na partida e fazia o terceiro no Campeonato Nacional.

… E voltou tudo ao mesmo

O remate de Luís Leal foi mesmo um oásis num deserto de ideias num Belenenses muito permissivo perante um Benfica de magia. Domínio total da partida e da posse de bola, com lances de belo recorte técnico que deram em mais dois golos. Decorria o minuto 59 e Gaitán fazia o “gosto ao pé” após combinação com Jonas e três minutos volvidos, Talisca, do meio da rua, fez o “placard” chegar à meia dúzia para gáudio dos 42.454 espectadores presentes nas bancadas.

Com o passar dos minutos, o Benfica colecionava oportunidades num Futebol que era música orquestrada por Gaitán e Jonas para os adeptos. Confortável no desafio, Rui Vitória começou a pensar na Liga dos Campeões e resolveu dar descanso aos camisolas 10 e 17. A própria equipa percebeu que os três pontos estavam seguros e geriu o ritmo e os minutos com bola até ao apito final de Bruno Paixão.

O Benfica não perde em casa há 54 jogos e iguala a 4.ª melhor marca de sempre, estabelecida em 1973. Neste momento soma nove pontos na classificação e agora segue-se o Astana, no dia 15 de setembro, na 1.ª jornada da fase de grupos da Liga dos Campeões.

O Sport Lisboa e Benfica alinhou com Júlio César; Nélson Semedo, Luisão, Jardel, Eliseu; Samaris, Talisca, Gaitán (Nuno Santos, 72’), Gonçalo Guedes; Jonas (Pizzi, 77’) e Mitroglou (Raúl Jiménez, 66’).

Marco Rebelo
Fotos: Isabel Cutileiro / SL Benfica

Sem comentários: