setembro 27, 2009

SLBenfica _ Leixões 6ª Jorn.


In Abola

Benfica goleia Leixões (5-0)

O Benfica recebeu e goleou, este sábado, o Leixões, por 5-0, golos de David Luiz, Cardozo (2), Ramires e Maxi, na Luz, numa partida em que a equipa visitante acabou reduzida a nove unidades.

O Benfica começou a partida muito bem e logo nos instantes iniciais podia ter marcado, através de Cardozo, mas depois o Leixões acertou nas marcações e começou a dificultar o jogo ao Benfica, que não encontrava soluções para marcar. Só que aos 27 minutos o Leixões ficou reduzido a 10 unidades, após Pouga ter recebido o segundo cartão amarelo. O Benfica continuou a insistir e no tempo de descontos inaugurou o marcador. Aimar apontou o livre indirecto e David Luiz, de cabeça, desviou com sucesso o esférico.

Na segunda parte o jogo ficou decidido aos 55 minutos. Grande penalidade sobre Aimar, Nuno Silva é expulso, Cardozo não desperdiçou o lance e o Leixões ficou reduzido a nove unidades. Perante este cenário, foi apenas uma questão de minutos até os jogadores do Benfica dilatarem o marcador. Aos 75 minutos, Ramires, quarto golo da época, desviou com sucesso o cruzamento de César Peixoto, aos 81 minutos, após vários ressaltos, Maxi rematou forte e com êxito e aos 88 minutos, Cardozo, de cabeça, fechou a contagem.

Ficha de jogo:

Estádio da Luz

Árbitro: João Capela (Lisboa)

BENFICA – Quim; Maxi Pereira, Luisão, David Luiz e César Peixoto; Ramires, Javi García (Fábio Coentrão, 62m) e Di María; Aimar (Rúben Amorim 73m); Cardozo e Saviola (Nuno Gomes, 71m).

Ao intervalo: 1-0
Marcadores: 1-0, David Luiz (45m); 2-0 Cardozo (56m g.p.); 3-0, Ramires (75m); 4-0, Maxi (81m); 5-0, Cardozo (88m)

Fim da partida: 5-0

setembro 24, 2009

Mística

Perguntam-nos o que é a mística do Glorioso SLBenfica?
Este vídeo é grande exemplo, do que realmente é a Mística.




Sempre e para sempre AMOR ETERNO

The best cartoon



Um muito OBRIGADO ao BENFICA ATÉ MORRER, foi copiada do seu blog.

setembro 21, 2009

SLBenfica _ U.Leiria 5ª jornada


In Abola

Águia sofre mas vence (2-1) em Leiria

O Benfica foi o Leiria vencer a União local por 2-1 e garantir os três pontos que lhe permitem isolar-se no segundo lugar da classificação. Saviola (4’) e Cardozo (78’, g.p.), apontaram os golos dos encarnados, David Luiz (19’) marcou na própria baliza o tento dos leirienses.
Apesar do golo madrugador sofrido na sequência de um livre – Aimar lançou para o segundo poste onde apareceu Saviola (4’) a rematar de primeira e a inaugurar o marcador – o União de Leiria não desarmou a táctica que tinha definida para o jogo, com dois médios recuados bem encostados a uma linha defensiva composta por três centrais, esquema que conseguiu neutralizar as iniciativas atacantes dos encarnados, que insistiram na construção de jogadas pelo centro do terreno mas nunca conseguiram acertar com o último passe.
Os leirienses chegaram ao empate também num lance de bola parada, que resultou numa intervenção infeliz de David Luiz. Na tentativa de cortar um livre cobrado por Silas, o central brasileiro acabou por desviar para a própria baliza e enganar Quim, que nada pôde fazer para evitar que a bola entrasse na sua baliza.
Obrigados a rematar de longe, os jogadores do Benfica não chegaram a incomodar Djuricic nos primeiros 45 minutos, ao passo que Quim viu o perigo rondar a sua baliza. Primeiro Carlão (34’) atirou ao lado quando estava em posição para fazer melhor, depois Mamadou Tall (37’) obrigou o guardião encarnado a aplicar-se para desviar um remate à entrada da área.
O Benfica entrou para segunda parte sem novas ideias para superar o esquema leiriense e as dificuldades em chegar à baliza adversária continuaram a ser evidentes. Foi mesmo o U. Leiria a primeira equipa a criar perigo mas Kalaba não aproveitou um cruzamento de Pateiro e atirou por cima quando estava isolado na área. A insistência nas jogadas pelo centro do terreno acabou por dar os seus frutos, quando Aimar foi travado em falta por Mamadou Tall dentro da grande área leiriense. Na transformação do castigo máximo, Cardozo não perdoou e voltou a colocar o Benfica em vantagem no marcador.
Em cima do minuto 90, Nuno Gomes podia ter sentenciado a partida, mas atirou à figura de Djujricic quando só tinha o guarda-redes sérvio pela frente. Foi, no entanto, o U. Leiria a última equipa a criar perigo: Ronny cobrou um livre em arco e Quim foi obrigado a aplicar-se para evitar aquele que seria o golo do empate.
Os encarnados cumpriram com o objectivo de somar os três pontos que lhe permitiram isolar-se no segundo lugar do campeonato, beneficiando da derrota do FC Porto, ontem, com o Sp. Braga. Já o União de Leiria, que sofreu a primeira derrota da temporada, mantém-se no sexto lugar com seis pontos, os mesmos que o Olhanense que amanhã joga em Alvalade, com o Sporting, no encontro que encerra a 5.ª jornada da Liga.

Ficha de jogo:

Estádio Municipal Dr. Magalhães Pessoa, em Leiria

Árbitro Jorge Sousa (AF Porto)

BENFICA: Quim; Maxi Pereira, Luisão, David Luiz e Shaffer; Javi Garcia, Ramires (Nuno Gomes, 64'), Di Maria e Aimar; Saviola (Ruben Amorim, 80') e Keirrison (Cardozo, 64').

Suplentes: Júlio César, Sidnei, César Peixoto e Fábio Coentrão.

Treinador: Jorge Jesus.

Golos: 0-1, Saviola (4'); 1-1, David Luiz (19', p.b.); 1-2, Cardozo (78', g.p.).

À Lei da Bola _ Pedro Ribeiro

In Sapo Videos

A onda vermelha está para durar

setembro 20, 2009

Crónica Semanal do Ricardo Araújo Pereira

In Abola

Este Benfica é uma desilusão

Primeiro, foram as contratações. Como podiam ser boas se o Benfica faz contratações todos os anos e não tem ganho grande coisa? E a este raciocínio, que seria excelente se não fosse falacioso, seguiram-se outras considerações. Um espanhol por sete milhões? Um absurdo. Se fosse bom, o Real Madrid ficava com ele. Saviola? Um bluff, disseram uns. Vem passar férias e é tão mau jogador como Aimar, disse um candidato a presidente do Benfica. Um homem com visão. Depois, foi o treinador. Era inexperiente, não tinha categoria e foi contratado fora de tempo. Fez um trabalho apenas regular no Braga, disseram uns. Iria ser dos treinadores mais rapidamente despedidos da História, disse um candidato a presidente do Benfica — para quem o treinador ideal era Carlos Azenha (por coincidência, um dos treinadores mais rapidamente despedidos da História). E a seguir foi a maldita pré-época. Que interessava ganhar todas as competições? Muitas vezes, as equipas que fazem as melhores exibições na pré-época são as que jogam pior no campeonato, disseram uns. O candidato a presidente do Benfica é que nunca mais disse nada, o que é pena.
Depois, vieram os primeiros jogos do campeonato. Sim, a equipa joga bem, mas é demasiado cedo para estar a jogar bem, disseram uns. Ao que parece, as boas exibições têm o seu tempo, e não é este. O Benfica, por incompetência ou ingenuidade, cometia a estupidez de jogar bom futebol. Logo a seguir, veio a primeira goleada — curiosamente, a maior das últimas décadas. Não impressionou. Normalíssimo, disseram uns. No ano passado também deram seis ao Marítimo e depois ficaram dois meses sem marcar, disseram outros. Havia que esperar pela semana seguinte. E então, esperou-se. Infelizmente, houve nova goleada. E depois, nova vitória. Os reforços são óptimos, o treinador é muito competente, a pré-época cumpriu as suas promessas, e as goleadas persistem. Não se faz. É muito aborrecido quando a realidade contraria sistematicamente os desejos das pessoas. Julgo que este Benfica deve um pedido de desculpas a muita gente.
Até aos benfiquistas, que também estão desiludidos. Que graça tem estar a ganhar por três ao quarto de hora? Que sentido faz um adepto ter de pedir ao companheiro do lado que lhe ausculte o peito, a ver se o coração continua a bater? Não há um resultado tangencial que o sobressalte, um contra-ataque perigoso que o faça palpitar, uma bola na trave que o obrigue a dar sinal. O sr. Jorge Jesus e os seus pupilos têm consciência das dores musculares com que um ser humano fica quando é forçado a levantar-se de um salto oito vezes no espaço de uma hora e meia? Eu pago para ver futebol, não é para fazer aeróbica. Aviso já que vou passar a levantar-me apenas de três em três golos, uma vez que não tenho preparação física para acompanhar esta equipa. Espero em breve levantar-me por cinco vezes. Como sabem, ando há muito tempo a desejar um 15 a 0.


P.S estou a caminho do Magalhães Pessoa para ir ver o nosso Glorioso SLBenfica.

setembro 17, 2009

Liga Europa _ Fase grupos 1ª jornada


In Abola


Nuno Gomes e Cardozo dão vitória ao Benfica

A dupla de avançados do Benfica foi crucial, esta quinta-feira, ao marcar os dois golos da vitória sobre o BATE Borisov (2-0), na primeira partida no Grupo I da Liga Europa.
Para o desafio frente ao BATE Borisov, o técnico Jorge Jesus decidiu rodar alguns jogadores, estreou os brasileiros Júlio César e Felipe Menezes, ambos em bom plano, e decidiu ainda trocar Saviola por Nuno Gomes.

O Benfica demorou algum tempo a criar uma oportunidade de golo, mas aos 30 minutos, teve uma excelente ocasião falhada por Di Maria. Só que foi o aviso do golo que surgiu cinco minutos depois. Maxi fez um excelente cruzamento da direita, com Nuno Gomes nas costas de um defesa a parar no peito e a rematar com êxito.
Aos 40 minutos, novo golo do Benfica, Nuno Gomes, boa exibição no regresso, assistiu Cardozo e o avançado paraguaio não deixou escapar ocasião. Na segunda parte, o Benfica teve mais algumas oportunidades para chegar ao terceiro, mas Di María, Cardozo e Fábio Coentrão não aproveitaram as ocasiões. O BATE Borisov não final da partida conseguiu criar duas ocasiões de perigo, mas o guarda-redes Júlio César não permitiu o golo.

Após este resultado, o Benfica ficou no segundo lugar do Grupo I, isto porque o Everton venceu o AEK por 4-0.

Estádio da Luz

Árbitro: Knut Kircher (Alemanha)

Benfica – Júlio César; Maxi, Luisão, David Luiz e César Peixoto; Ramires, Javi Garcia, Felipe Menezes (Fábio Coentrão, 60m) e Di María (Rúben Amorim, 76m); Nuno Gomes (Saviola, 65m) e Cardozo.

Marcadores: 1-0, Nuno Gomes (35m); 2-0, Cardozo, (40m).

Caso da suspensão do delegado da Liga

In SLBenfica

Dois pesos, duas medidas...

Quando pensávamos que já tínhamos visto tudo… Eis que em mais uma decisão grotesca, a Liga suspendeu por 18 meses o delegado ao jogo entre Benfica e Nacional, João Pedro Simões Dias, disputado em 22 de Dezembro de 2008. Passaram – somente! – oito meses e meio desde os factos… Saiba toda a verdade, a história que quiseram esconder, em primeira-mão!

A situação em apreço remonta ao ano transacto, à partida entre Benfica e Nacional da Madeira, em que o árbitro Pedro Henriques a poucos minutos do apito final invalida um golo a Cardozo, por pretensa mão de Miguel Vítor, que daria os três pontos aos “encarnados”.

Na sequência dos protestos, já no túnel da Luz, Nuno Gomes e o assessor jurídico Paulo Gonçalves supostamente mostram a sua revolta através de palavras injuriosas para com a equipa de arbitragem e, tendo como base o relatório apresentado pelo juiz, ambos acabam castigados.

No dia 8 de Setembro, tendo em atenção o contexto acima descrito, eis que surge mais uma decisão da Liga de bradar aos céus, uma decisão que ficará para a história do Futebol português, mais uma vez pelos piores motivos!

Cerca de nove meses depois, 37 semanas decorridas sobre os factos, precisamente 269 longos dias, pois a Comissão Disciplinar da Liga esperou pela decisão do Conselho de Justiça que só em Julho instaurou um inquérito, o organismo resolve sancionar João Pedro Simões, delegado da Liga a esse desafio, com a pena de exclusão do quadro das competições profissionais, por um período de 18 meses, “nos termos do disposto pelo artigo 151.º, falsificação de relatório”, como justifica o Comunicado Oficial n.º 054.

Ora, o que é que está aqui em causa? É que o relatório apresentado pelo delegado não coincide com o relatório de Pedro Henriques, não constando nele as tais supostas injúrias! E nunca poderia coincidir porque João Pedro Simões não estava no local onde supostamente tudo aconteceu, logo, não viu, não ouviu e não poderia escrever acerca de tal, aliás, como é indicação precisa da própria Liga, de não o fazer, ou seja, de não concertar os relatórios.

Será que a Liga não sabe que Óscar Fernandes, o “patrão” dos delegados ligou a João Pedro Simões, no dia seguinte ao jogo, proponde-lhe que este fizesse uma adenda em que este daria conta da expulsão de Nuno Gomes? Ora, estranho, muito estranho, é que cerca de nove meses depois do sucedido e depois desta mesma conversa, João Pedro Simões Dias seja castigado. Será que foi sancionado porque se negou a concertar o relatório, alinhando pelo discurso do árbitro? Que interesses afinal estão aqui em jogo?

Leia na íntegra, toda a verdade acerca deste caso, no Jornal “O Benfica”.

setembro 14, 2009

Vamos todos a Leiria Apoiar o SLBenfica(PREÇO BILHETES)

Aqui fica gráfico e preço dos bilhetes para o jogo do SLBenfica em Leiria, domingo ás 20h15.
EU VOU LÁ ESTAR.

SLBENFICA Soma e Segue


In Abola

Depois dos 8-1 na Luz, frente ao V. Setúbal, o Benfica volta a aplicar nova goleada. Desta vez foi fora de casa, no Restelo - onde o emblema da Luz não vencia há dois anos - e a vítima o Belenenses, que sofreu quatro golos e não foi capaz de responder à avalanche ofensiva «encarnada», em jogo da quarta jornada da Liga.
Os pupilos de Jorge Jesus promoveram a primeira alteração no marcador muito cedo, logo aos cinco minutos, por intermédio de Javier Saviola. O pequeno avançado argentino arrancou ainda no meio-campo defensivo das «águias» e só parou quando colocou a bola no fundo da baliza defendida por Nélson, tendo passado por meia dúzia de jogadores «azuis-e-brancos».
Durante a primeira parte a formação benfiquista ainda tentou marcar novamente, mas apesar de diversas investidas de Saviola, Cardozo, Ramires e Di Maria, que acabaram por nunca levar o rumo certo.
No segundo tempo a história já foi outra e a formação treinada por Jorge Jesus rubricou mais três golos, que garantiram a vitória. Cardozo, a passe de Saviola, assinou o segundo tento do Benfica, aos 56 minutos.
Quase 20 minutos passaram até os benfiquistas marcarem novo golo. Javi García foi o autor do mesmo. Aimar cruzou na sequência de um livre para o segundo poste, onde apareceu o médio espanhol para encostar.
O quarto e último golo da partida foi assinado por Ramires, aos 88 minutos. Numa jogada de contra-ataque rápido, em que a bola começou a rolar em Aimar e passou por Keirrison e Coentrão. Nesta altura o extremo português cruzou a bola, que ressaltou num defesa do Belenenses e acabou por chegar aos pés do médio brasileiro, que não desperdiçou a oportunidade.
O Belenenses mostrou-se sempre muito combativo, mas com um meio-campo muito permeável, incapaz de resistir à força ofensiva do Benfica. A formação orientada por João Carlos Pereira conseguiu ainda algumas ocasiões de golo claro, mas a defesa «encarnada» conseguiu cumprir, embora algumas vezes a sorte também tenha ajudado.

Benfica: Quim; Rúben Amorim, Luisão, David Luiz, César Peixoto; Javi García, Ramires, Aimar, Di Maria; Saviola e Cardozo.
Suplentes: Júlio César, Schaffer, Keirrison, Maxi Pereira, Coentrão, Nuno Gomes, Sidnei.

Marcadores: Saviola (5), Cardozo (56), Javi García (75), Ramires (87).

setembro 12, 2009

Futsal_ SLBenfica / Fundação

In SLBenfica

Tricampeão entra a vencer no campeonato

O Benfica entrou a vencer, de forma categórica, no campeonato 2009/10, seis dias de ter arguido a Supertaça. Com uma exibição de grande nível na segunda parte, o tricampeão nacional venceu este sábado, em casa, a Fundação Jorge Antunes, por 5-3, na jornada inaugural da competição.
Confirmando os seus dotes de goleador, o reforço Joel Queirós foi a grande figura do jogo ao assinar um “hat-trick”, tendo sido ele o autor do primeiro golo do jogo que também foi o primeiro golo da presente edição do campeonato.
O internacional português estreou-se a marcar de “águia ao peito” aos 6’ na sequência de um livre indirecto, após um passe lateral de Ricardinho. No entanto, a equipa benfiquista perdeu a situação de vantagem aos 11’ muito por culpa da arbitragem que assinalou uma falta inexistente da qual resultou o tento do empate da Fundação Jorge Antunes (Joel Queirós cortou o esférico de forma "limpa", mas o árbitro entendeu o contrário).

Erros grosseiros

Ou seja, um erro gravíssimo com clara influência no resultado. E depois, a quatro minutos do final do primeiro tempo, arbitragem voltou a errar em prejuízo do Benfica ao assinalar uma quinta falta inexistente (César Paulo desequilibrou-se e caiu, mas a arbitragem entendeu que tinha havido uma simulação do pivot brasileiro).
O Benfica, já habituado a este tipo especifico de adversidades, não se intranquilizou e, fazendo alarde dos seus hábitos de vitória, recolocou-se em posição de vantagem aos 17’ por intermédio de Ricardinho que concluiu ao segundo poste um lance de “meio golo” fabricado por César Paulo (o internacional brasileiro fez um túnel a um jogador adversário e a seguir um notável passe cruzado que o "mágico" valorizou da melhor forma).
Após o 2-1, e até à chegada do intervalo, o Benfica apostou na meia distância, mas os remates de Ricardinho, Davi e Pedro Costa não acertaram no alvo.

Joel desequilibra e vitória à vista

Na segunda parte, no curto espaço de um minuto, Joel Queirós fez dois golos e alargou o resultado para 4-1, empurrando assim bastante o Benfica para a vitória (o grande reforço benfiquista deu um toque final aos 28’, após uma assistência de Zé Maria, e depois desferiu um remate certeiro que levou o esférico a passar por baixo das pernas do guarda-redes Vítor Hugo).
Zé Maria, que se exibiu a grande altura no segundo tempo, fez o 5-1 que “matou o jogo”, de nada valendo ao adversário os dois golos de Fábio e Miguel Almeida na recta final, os quais atenuaram o peso da desvantagem no marcador.
Face ao que se passou na segunda parte, ficaram indicadores muito claros de que o Benfica está a dar passos sólidos e firmes para atingir a médio-prazo o seu melhor nível

setembro 11, 2009


In Abola

Benfica é o nono maior clube europeu do séc. XX


O Benfica surge na nona posição no ranking Clube Europeu do Século divulgado, esta quinta-feira, pela Federação Internacional de História e Estatística do Futebol (IFFHS), encabeçado pelo Real Madrid, de Cristiano Ronaldo e Pepe.
A classificação baseia-se nos resultados obtidos pelas equipas nas competições europeias entre 1901 e 2000, sendo atribuídos pontos por vitória e empate consoante a categoria das provas.
O Real Madrid ocupa a primeira posição do ranking, à frente da Juventus e do Barcelona, que completam o ‘pódio’ por esta ordem. O Benfica surge no «top ten» da hierarquia, na nona posição.
O FC Porto é o segundo clube português a surgir na lista da IFFHS composta por 200 emblemas, ocupando o 29.º lugar, enquanto o Sporting surge no 47.º posto.
V. Setúbal, na 110.ª posição, é o quarto e último clube luso contemplado.

Para a tabela contam os resultados na Taça e Liga dos Campeões (oito por vitória e quatro por empate), Taça das Feiras e Taça UEFA (seis e três), Taça das Taças (cinco e 2,5), Taça Mitropa (quatro e dois), Taça Latina (quatro e dois) e Supertaça Europeia (6,5 e 3,25).

Classificação:
1. Real Madrid, 563,50 pontos
2. Juventus, 466,00
3. FC Barcelona, 458,00
4. AC Milan, 399,75
5. Bayern Munique, 399,00
6. Inter de Milão, 362,00
7. Ajax, 332,75
8. Liverpool, 300,25
9. Benfica, 299,00
10. Anderlecht, 231,00
(...)
29. FC Porto, 115,00
47. Sporting, 68,00
110. V. Setúbal, 21,00

setembro 09, 2009

Gestão Intelegente do SLBenfica

In Abola

«Temos uma gestão inteligente», garante administrador da SAD

Domingos Soares de Oliveira, administrador da SAD do Benfica, mostra-se confiante em relação às contas e garante gestão inteligente dos recursos. Mais, diz que o crédito junto das instituições bancárias é sinal da confiança que o Benfica tem, salientando que nunca passaria pela cabeça esconder qualquer tipo de operação.

O investimento legado a cabo em contratações para a nova época levantou muitos comentários, mas, em entrevista à Antena 1, Soares de Oliveira deixou a garantia: «Nunca nos passaria pela cabeça esconder qualquer operação, não apenas pelos princípios que regem o Benfica mas também pelas obrigações que temos perante o mercado. Não conheço alguém que tenha desconfiado das operações que o Benfica tem feito, mas se isso vier a acontecer seria fundamentalmente por ignorância, ao não terem conhecimento o modelo de funcionamento de uma sociedade desportiva cotada em bolsa.»

Seguindo as recentes palavras de Luís Filipe Vieira sobre a proveniência do capital para o investimento no que diz respeito a reforços, o administrador da SAD salientou que o crédito dado pelas instituições bancárias é «sinal da confiança de que o Benfica é merecedor». Posto isto, despreocupação no que diz respeito à possibilidade de aumento do passivo: «Fico preocupado com o passivo se este se torna incontrolável. Não é o nosso caso. Temos uma gestão diria inteligente relativamente aos investimentos que temos feito. A grande parte do passivo bancário do Benfica está associado a projectos estruturantes que foram desenvolvidos, nomeadamente o novo estádio e o centro de estágios.»


REFREAR A ONDA DE EUFORIA

No capítulo desportivo, Domingos Soares de Oliveira segue também o discurso de contenção, considerando que «não se deve cair em climas de euforia desmesurada». «O Benfica tem sido prejudicado nos últimos anos por facilmente se cair numa euforia excessiva e logo após um resultado menos bom haver desapontamento idêntico à euforia», atirou, não escondendo, porém, o optimismo que reina para os lados da Luz: «Temos tido assistências recorde neste início de campanha, pois nunca tínhamos esgotado o estádio em jogos de pré-época, assim como aconteceu no jogo com o Marítimo. É evidente o apoio dos adeptos, que é determinante para que o Benfica possa dar grandes alegrias. Não é um jogador que está em destaque, mas antes toda a equipa, assim como a equipa-técnica.»

setembro 06, 2009

Supertaça Futsal_Já são 4

O SLBenfica conquistou 4ª Supertaça de Futsal

In site SLBenfica
O Benfica conquistou este domingo, na Arena de Portimão, a quarta Supertaça do seu historial ao derrotar o Belenenses, por 1-0. Com o poder desequilibrador a que nos habituou, Ricardinho marcou o golo que permitiu ao Glorioso reforçar ainda mais o longo período de hegemonia que detém na modalidade (13 títulos oficiais desde 2002).
Com este êxito, o Benfica ultrapassou o Sporting na liderança dos troféus da Supertaça, sendo também o clube português com mais Taças de Portugal (4) no palmarés.
Entrando agora no filme do jogo, o Benfica foi claramente superior ao adversário na primeira parte, pelo que o nulo ao intervalo carregava o peso da injustiça no marcador. O guardião do Belenenses, Marcão, com várias defesas “elásticas”, foi o principal responsável pelo facto de os “encarnados” não terem conseguido marcar.
No entanto, também faltou alguma serenidade a Marinho (8’) e Arnaldo (13’) que, na zona da grande área, atiraram ao lado com Marcão já desamparado no chão.
Mais eficaz esteve Ricardinho que, na segunda parte, soltou toda a sua genialidade aos 22’ e fez o golo que valeu a quarta Supertaça para o Benfica – o mágico rompeu pelo corredor central, tirou Diego Sol do caminho, depois aguentou a pressão de Marcelinho e a seguir rematou colocado (o esférico ainda bateu no poste direito) não dando quaisquer hipóteses a Marcão.

Experiência determinante

A passagem do 30.º minuto a dupla de arbitragem penalizou erradamente o Benfica com a quinta falta, depois de na jogada anterior ter feito vista grossa a uma falta nítida de um jogador do Belenenses sobre Gonçalo Alves. No entanto, a formação “encarnada”, fazendo alarde da sua experiência e coesão de grupo, não vacilou e, no espaço de três minutos, obrigou o adversário a atingir a quinta falta.
Em vantagem no marcador, e tendo em conta a natureza específica da Supertaça (competição com pouquíssima margem de erro), o Benfica baixou o ritmo e jogou pela certas em acções de contra-ataque. E neste particular táctico, César Paulo esteve em evidência com dois remates com selo de golo travados com os reflexos de Marcão.
Aos 35’, o factor-sorte jogou a favor do Benfica, depois de Marcelinho ter tirado ao poste, com Bebé fora da baliza após uma simulação do jogador “azul”. Depois de tantas oportunidades na primeira parte desperdiçadas pelo tricampeão nacional, o Benfica também mereceu
A três minutos do fim, o Belenenses (como já se previa) jogou com guarda-redes avançado, mas o conjunto de André Lima, com a lição bem estudada para as situações de 5 contra 4 em termos de jogadores de campo, anulou todas as investidas do opositor.

A classe de Pedro Costa e o feito de André Lima

Importa também salientar que o últimos dez segundos da partida revelaram a classe, a inteligência e os hábitos de vitória do grande capitão Pedro Costa que, num momento de terrível pressão, levou o esférico até à linha de fundo até ao derradeiro segundo perante o desespero dos jogadores do Belenenses.
Com mestria, Pedro Costa segurou o esférico, geriu os momentos de emoção e quando se atingiu o 40.º minuto pegou na bola e atirou-a ao ar, iniciando os festejos de mais um título. André Lima agradeceu, lançando um sorriso de admiração para o seu capitão.
A seguir, sucederam-se os abraços entre todos os jogadores benfiquistas que valorizaram de uma forma especial cada troféu oficial conquistado. Deve ser igualmente destacado o facto de o treinador André Lima, com a vitória na Supertaça, já ter no seu currículo todos os troféus a nível nacional.

O Benfica começou assim a época da melhor forma e os dados estão bem lançados para mais uma temporada recheada de êxitos desportivos.

setembro 05, 2009

Supertaça Futsal


Este domingo na arena de Portimão supertaça de Futsal SLBenfica - Belenenses pelas 16H00 e transmissão em directo na RTP2.

In site SLBenfica
"Merecemos e vamos fazer tudo para conquistá-la"

Depois do estágio de duas semanas no Luso, vem aí a Supertaça de Portugal, ante o Belenenses na Arena de Portimão, no Algarve, este domingo. A equipa de futsal do Benfica quer começar a época a vencer e isso ficou bem evidente em vésperas do embate com os "azuis".

"Por tudo o que fizemos no ano passado merecemos a Supertaça e tudo vamos fazer para conquistá-la, apesar de termos pela frente uma das melhores equipas nacionais. Quando as coisas se decidem num jogo, tudo pode acontecer. Contaremos com o apoio dos nossos adeptos, pois eles estão em todo o lado e outros vão deslocar-se de Lisboa para nos acompanharem", referiu Nelito, treinador-adjunto do Benfica, à Benfica TV.

setembro 03, 2009

CNE em Toronto(+ 1troféu)


In Abola

O Benfica venceu esta noite o Celtic (3-1) em Toronto, Canadá, e conquistou o troféu CNE.

Apesar de ter jogado privado de vários habituais titulares (Aimar, Cardozo, Ramires, Luisão, entre outros), Jorge Jesus viu a sua equipa apresentar-se com ambição desde o primeiro minuto e em vantagem desde o segundo, quando Keirrison aproveitou o ressalto de um remate ao poste de Nelson Oliveira.
Mesmo a ganhar, nos primeiros minutos de jogo o Benfica continuou em busca do golo e a verdade é que teve várias oportunidades para o conseguir, até que o Celtic finalmente conseguiu encontrar-se enquanto equipa e equilibrar de novo o jogo a meio-campo.
Apesar do maior domínio, o Benfica acabou por sofrer o empate em cima do intervalo, num lance em que a defesa deu espaço a McGowan para concluir um ataque iniciado na direita a que Júlio César ainda conseguiu opor-se uma vez.
À entrada para a segunda parte os escoceses apresentaram-se com boa dinâmica ofensiva, mas foi o Benfica que chegou ao golo, através do júnior Ruben Pinto, aos 57.
De novo em vantagem, o Benfica tomou de vez conta do jogo. Saviola (71) fez o 3-1 e até final a equipa encarnada teve várias oportunidades para voltar a marcar.
Com muitos jovens em campo – o Celtic também não jogou na máxima força – Jorge Jesus tem motivos para estar tranquilo. A segunda linha benfiquista mostrou qualidade, ambição e, sobretudo, estar a assimilar a metodologia de trabalho.
Destaque nesta partida para Di Maria, que foi um dos jogadores mais influentes em campo.

No estádio BMO Field, em Toronto, e sob arbitragem de Silvu Petrescu.

BENFICA
Júlio César; Luís Filipe, Roderick, Sidnei e Shaffer; Javi Garcia, Ruben Pinto, César Pexoto e Di María; Nelson Oliveira e Keirrison.

Suplentes: Moreira, Ruben Amorim, David Luiz, Saviola, Diogo Figueiras e Tiago Ribeiro.

Treinador: Jorge Jesus

Golos: Keirrison (2), Ruben Pinto (57) Saviola (71)

setembro 01, 2009

Inferno da LUZ _Tenham medo muito medo


In Abola

Benfica aplica goleada das antigas (8-1) ao V. Setúbal

A equipa encarnada precisou de apenas 15 minutos para se colocar em vantagem e o golo de Javi Garcia, na sequência de um canto, serviu também para desatar o novelo de futebol ofensivo que empolgou os muitos milhares que compareceram no estádio.
Cinco minutos depois, novo golo para a equipa encarnada, desta vez por Luisão. A história do jogo foi praticamente a história dos golos marcados, tal a superioridade do Benfica frente a um adversário que acusou em demasia a quantidade de golos sofrida e se mostrou sempre perdido em campo.
Ao intervalo já o marcador assinalava 5-0, com os outros três golos a pertencerem a Cardozo (28, g.p.), Aimar (34) e Ramires (36).
Depois de durante breve período da segunda parte o V. Setúbal ter dado a ilusão de aparecer mais forte sobre o relvado, nova marcha triunfal dos encarnados, que, mesmo sem colocarem o pé no acelerador acabaram por dilatar a vantagem com relativa normalidade.
Cardozo fez mais dois (64 e 74), Nuno Gomes estreou-se a marcar (84) e até final ainda houve algumas oportunidades desperdiçadas pelo Benfica, mas foi Hélder Barbosa a marcar o golo de honra do V. Setúbal, já em período de compensação.
Bom indício para Jorge Jesus é o facto de o ataque encarnado começar a mostrar sinais de bom entendimento entre os seus principais jogadores, bem como a extrema eficácia nos lances de bola parada, de onde quase sempre saem ocasiões de grande perigo.
Do lado do V. Setúbal, que se apresentou na Luz com apenas um ponto conquistado em dois jogos, os motivos de preocupação são muitos. A defesa não rende e o ataque nem se vê. Motivos mais do que suficientes para Carlos Azenha ficar preocupado.

Estádio do SL Benfica, em Lisboa
Árbitro: Duarte Gomes (AF Lisboa)

BENFICA
Quim; Rúben Amorim, Luisão, David Luiz e Shaffer; Ramires, Javi Garcia, Di María, Aimar; Cardozo e Saviola.

Suplentes: Moreira, Luis Filipe, Sidnei, Fábio Coentrão, César Peixoto, Keirrison e Nuno Gomes.

Golos: Javi Garcia (15), Luisão (20), Cardozo (28, g.p., 64, 74), Aimar (34), Ramires (36), Nuno Gomes (84); Hélder Barbosa (90+2).