julho 19, 2009

Crónica Semanal do Ricardo Araújo Pereira

Edição 19/07/2009 A Bola

A pré-época pré-histórica do Sporting

Em Lisboa, a pré-época tem sido alegre: os adeptos do Benfica estão entusiasmados com o novo treinador e a qualidade da equipa; os adeptos do Sporting estão entusiasmados com o entusiasmo dos adeptos do Benfica. Enfim, cada um entusiasma-se com o que pode.
Eu admito que as euforias precipitadas são perigosas. Mas, na verdade, só há uma coisa pior do que o entusiasmo injustificado da pré-época: é o desalento justificado da pré-época. A razão pela qual não há euforias injustificadas no Sporting não se deve a uma hipotética maior sensatez dos seus adeptos. No Sporting não há euforias injustificadas porque não há euforias nenhumas. Justificadamente: na pré-época, o Sporting bateu o Atlético do Cacém por 3-0 e depois perdeu com uma equipa da segunda divisão inglesa e com o sétimo classificado da liga holandesa do ano passado — sendo que, dentro de pouco mais de uma semana, terá de discutir a qualificação para a Liga dos Campeões com o segundo classificado, o Twente. Convenhamos que é mais fácil esperar que o entusiasmo dos benfiquistas seja injustificado do que encontrar motivos para entusiasmo justificado dos sportinguistas. Ou seja, enquanto os benfiquistas crêem que é possível que o Benfica venha a jogar à Benfica, os sportinguistas esperam que o Benfica comece rapidamente a jogar à Sporting.
Ainda assim, nem tudo é mau para o Sporting. Há aquela nova contratação, um homem jovem, ambicioso, e que vem ganhar mais do que todos os jogadores do plantel. Infelizmente, trata-se do presidente. Mas também entusiasma. E há ainda o investimento nas novas tecnologias. Durante a maior parte da pré-época, o Sporting jogou com o complicómetro ligado, um novo dispositivo que promete revolucionar o futebol em Alvalade. Finalmente, não podemos esquecer os novos reforços Vukcevic e Miguel Veloso que, nestes 20 minutos em que não estão incompatibilizados com o treinador, podem dar um contributo inestimável à equipa.
Quanto ao Porto, vendeu muito bem Cissokho, o que é excelente. São magníficos negócios como este que permitem ao Porto recuperar algum do dinheiro que deixou de ganhar em negócios ruinosos como a venda de Diego por 6 milhões (acaba de ser vendido à Juventus por 24,5 milhões) ou a cedência de Luís Fabiano por 3 milhões (actualmente é o ponta-de-lança da selecção brasileira e o Milan pondera adquirir o seu passe por 20 milhões).
Entretanto, o futebol começa a voltar às nossas vidas: ontem acompanhei o Sporting-Feyenoord, depois o Porto-Mónaco, e logo a seguir o Benfica-Porto, na final do torneio do Guadiana. Aqueles vários jogadores do Porto, orientados por um treinador do Porto, deram algum trabalho ao Benfica, mas acabaram por perder o jogo. Diz-se que o Porto tem um bom plantel, mas é importante não esquecer que também tem mais dois ou três maus plantéis, distribuídos por várias equipas do País e do estrangeiro. É mais fácil acertar em 11 bons jogadores quando se pode comprar 70.

1 comentário:

Gloriosasfera.com disse...

A Gloriosasfera saúda todos os Benfiquistas no princípio de uma época que desejamos seja Gloriosa.

Glorioso, Dedicado, Apaixonado, Orgulhoso
EU SOU BENFICA
www.gloriosasfera.com