janeiro 23, 2015

Programa DAE do SL Benfica


Programa DAE do SL Benfica foi apresentado esta 5.ª feira na Luz


A Tribuna Presidencial do Estádio da Luz recebeu, esta tarde de quinta-feira, o lançamento do programa DAE (Desfibrilhação Automática Externa) do Sport Lisboa e Benfica.

O evento contou com a presença de João Paulo Almeida, director clinico SL Benfica, Carlos Lisboa, director-geral modalidades SL Benfica, Nuno Gomes, Paulo Amado de Campos, presidente do INEM, e Marco Castro, director-geral DAE Express e Rui Pereira, director de Prevenção, Segurança e Organização de Jogos.”

O Sport Lisboa e Benfica passa a ter 19 desfibrilhadores automáticos externos (DAEs), localizados no Estádio do Sport Lisboa e Benfica (total de 5 DAEs), Museu Cosme Damião (1 DAE), Pavilhões Desportivos do Estádio do Sport Lisboa (1 DAE), Complexo de Piscinas EDP (1 DAE), Área Comercial do Estádio da Luz (1 DAE), Campo dos Pupilos do Exército (1 DAE) e Centro de estágios Caixa Futebol Campus (9 DAEs) e conta com 36 colaboradores do SL Benfica, bem como com os Bombeiros Voluntários Lisbonenses e os Bombeiros Mistos do Seixal, num total de 152 Operacionais DAE habilitados a utilizar os DAEs em caso paragem cardiorrespiratória. Estes Operacionais receberam formação específica em Suporte Básico de Vida e Desfibrilhação Automática Externa. O programa DAE está licenciado pelo INEM.

Os DAEs são dispositivos electrónicos portáteis que em situações de paragem cardiorrespiratória analisam o ritmo cardíaco e nas situações indicadas aplicam um choque eléctrico com o intuito de se retomar um ciclo cardíaco normal e assim evitar a morte da vítima.

A paragem cardiorrespiratória de origem cardíaca é a principal causa de mortalidade nos países desenvolvidos. Em Portugal estima-se que ocorram 10.000 casos todos os anos acontecendo quase sempre de forma súbita, inesperada e fora do meio hospitalar. Na grande maioria dos casos o único tratamento eficaz é a desfibrilhação eléctrica (choque) e o factor mais importante para o sucesso da intervenção é o tempo que decorre entre o colapso da vítima e o início de manobras de Suporte Básico de Vida e a utilização de um desfibrilhador.

Em Portugal a taxa de sobrevivência de uma vítima de paragem cardiorrespiratória presenciada é inferior a 3% (1). Este valor compara com uma taxa de sobrevivência de 74% em locais com Programas DAE (2).

O Sport Lisboa e Benfica conta com o apoio da DAE Express para assegurar o responsável médico do Programa DAE, o controlo de qualidade e a formação dos Operacionais DAE. Os modelos formativos seguidos foram o da American Heart Association e do INEM.

A DAE Express é a empresa n.º 1 a nível nacional em Implementação e Manutenção de Programas DAE, contando até final de 2014 cerca de 400 desfibrilhadores instalados e mais de 4000 pessoas formadas em Suporte Básico de Vida e DAE.

A DAE Express e o Sport Lisboa e Benfica vêm com este Programa DAE contribuir para o desenvolvimento da rede de desfibrilhação automática externa no território português.

Fotos: Isabel Cutileiro / SL Benfica

Sem comentários: