abril 12, 2010

Crónica Semanal do Ricardo Araújo Pereira

In ABola



Para acabar de vez com as agressões em túneis 

Passaram já mais de 15 dias sobre a final da Taça da Liga e não há ainda notícia de castigos para os jogadores do Benfica. Conforme foi noticiado, os stewards contratados pela Liga de Clubes para, no entender da Comissão de Disciplina da Liga, zelarem pela segurança no estádio e, no entender do Conselho de Justiça da Federação, assistirem ao jogo a partir do túnel, pertenciam à empresa de segurança que patrocina o Braga.
 
Ora, um patrocinador tem um interesse objectivo em que a equipa que patrocina seja campeã, pelo que estavam reunidas condições para uma tenebrosa armadilha cujo resultado inevitável seria o castigo prolongado de futebolistas do Benfica que tivessem na manobra da equipa o peso equivalente ao de, por exemplo, Sapunaru no Porto. Um drama. Nesse caso, por que razão não foi organizada uma vigília antes da final? Por que motivo não houve ninguém, da parte do Benfica, que denunciasse a pérfida cilada? Porque todos sabíamos que, mesmo que os jogadores do Benfica ouvissem provocações ultrajantes do calibre de um «vão lá para dentro», ou um ainda mais infame «voltem lá para cima», iriam adoptar uma estratégia — manhosa, admito — para não serem castigados. Essa estratégia matreira é (e espero que os leitores mais sensíveis não fiquem chocados com a indignidade da marosca): não agredir stewards. Trata-se de um comportamento que, beneficiando embora o clube de que sou adepto, não tenho quaisquer dúvidas em condenar — desde logo por ser indigno de um bom chefe de família. Mas é assim, de astúcia vil em astúcia vil, que a equipa do Benfica se vai esquivando das punições.
POR causa de um penálti inventado, o Braga conseguiu ficar temporariamente a três pontos do Benfica, que tinha dias depois uma deslocação difícil e vai jogar ainda contra Sporting e Porto. Quem beneficiou com aquele penálti? O Braga? Claro que não. Segundo já li e ouvi, o beneficiado foi o Benfica. Quem beneficiou com os castigos de Vandinho e Mossoró? Os clubes que seguem atrás do Braga e dependem de terceiros para o ultrapassar? Claro que não. Segundo li e ouvi durante meses, o beneficiado foi o Benfica. Em resumo, quando o Braga é beneficiado, o Benfica beneficia; quando o Braga é prejudicado, o Benfica beneficia. Deve ser a isto que chamam o andor.

Quando Rentería se encontrou em Lisboa com um elemento da equipa técnica do Benfica para lhe pedir um favor, Domingos resolveu prevenir-se tirando a titularidade ao jogador. As palavras exactas do treinador do Braga foram: «Antes do jogo tive de lhe comunicar que ele não ia jogar para o proteger, não fosse ele escorregar dentro da área e fazer um penálti, quando os colegas, umas horas antes do jogo, o viram junto de um elemento que toda a gente sabe quem é.» Foi excesso de zelo. Na semana passada, Rentería escorregou dentro da área, fez um penálti e os colegas adoraram.

Raras vezes se terá colocado um dilema filosófico tão intrincado: quem se está a beneficiar quando se assinala um penálti inexistente sobre Rentería? O Braga, que é o clube em que ele joga? Ou o Porto, que é o clube a que pertence? Se o Rentería cair na floresta e não estiver lá ninguém para ouvir, fará barulho? Não sei, mas será penálti de certeza. Tanta choradeira por causa das quedas de Aimar, Di María e Saviola e afinal o jogador que beneficiou do penálti mais escandaloso do campeonato joga no Braga e pertence ao Porto. A realidade prega partidas giras.

Envergonho-me de não ter acreditado em Jesus quando o contrataram. Fui como São Tomé: tive de ver as chagas para acreditar. Neste caso, as chagas que Jesus inflige nos adversários. Jorge Jesus já venceu a Taça da Liga, cilindrando Sporting e Porto, mas também ofereceu a sportinguistas e portistas a maior vitória que tiveram esta temporada: a derrota do Benfica por 4-1 com o Liverpool. É um técnico que agrada a todos, portanto. Eu, como é evidente, não gostei da derrota. Ao fim de cerca de 30 jogos sem perder, já não me lembrava de como era. Continua a ser desagradável. Mas Jesus continua a ser Jesus, e este Benfica continua a ser o Benfica mais parecido com o que o Benfica nunca devia ter deixado de ser.

Sem comentários: