abril 01, 2010

Vem aí uma guerra pelos jogos do Benfica

In Jornal I

Vieira vai falar esta semana com o patrão da SportTV, que tem direito de preferência. Mas avisou: "O dobro é pouco"

O Benfica está a preparar o lançamento de um concurso internacional para vender os direitos televisivos dos seus jogos no campeonato português a partir de 2012, ano em que finda o contrato em vigor com a Olivedesportos de Joaquim Oliveira. O presidente do clube encarnado, Luís Filipe Vieira, anunciou a intenção de iniciar esta semana a negociação do processo, respeitando o direito de preferência da Olivedesportos. Mas já está a pensar nos passos seguintes: se Oliveira não acompanhar os números pretendidos pelo Benfica, o clube vira-se para o estrangeiro em busca de comprador. Em último caso, admite ficar com os direitos no canal Benfica TV, o que poderá dar origem a uma nova guerra de conteúdos entre a Zon (que detém 50% da SportTV) e a PT (que tem o exclusivo do canal benfiquista na Meo).

De acordo com as informações recolhidas pelo i junto de fontes próximas da direcção encarnada, é tudo uma questão de números: o Benfica recebe actualmente pouco mais de 8 milhões de euros por ano da Olivedesportos e a direcção do clube entende que os jogos do clube valem mais de 20 milhões por época. "O dobro é pouco", avisou Vieira em entrevista à SIC. "A direcção sabe que Joaquim Oliveira tem direito de preferência no próximo contrato, mas o Benfica parte para esta renegociação com um número em mente e se esse número não for acompanhado a venda dos direitos de TV será feita em concurso internacional", pormenorizou ao i uma fonte do clube, garantindo que o dossiê será resolvido "o mais cedo possível".

A direcção encarnada recusa revelar publicamente o valor que irá pôr na mesa das negociações. Porém, as queixas dos dirigentes nos últimos dois anos permitem prever a estratégia. Em 2008, por exemplo, o administrador para a área financeira, Domingos Soares Oliveira, defendeu que nos principais clubes europeus as receitas de televisão representam, em média, perto de 50% do total de receitas anuais. Ora, tendo em conta que os proveitos operacionais do Benfica na última época atingiram os 46,8 milhões de euros - excluindo a transacção de passes de jogadores -, o clube poderá estar a preparar-se para pedir perto de 25 milhões de euros anuais ao futuro parceiro televisivo - ou mais, tendo em conta a expectativa de acréscimo de receitas que a direcção do Benfica tem para a época em curso, em função do sucesso desportivo da equipa de futebol.

Estes valores parecem incomportáveis para a realidade do mercado televisivo português: de acordo com os números da OMG, o bolo publicitário na TV portuguesa rondou os 360 milhões de euros em 2009, e esses valores tornam dificilmente rentável a aposta de um operador em conteúdos tão caros. Mas a direcção do Benfica faz outras contas: os mais de 600 mil assinantes da SportTV representam uma receita anual de subscrição na ordem dos 145 milhões de euros, e a SportTV paga "apenas" 42 milhões de euros a todos os clubes da Liga portuguesa pelos seus direitos de televisão. Ou seja, a direcção encarnada entende que há margem suficiente para aumentar os montantes que recebe da SportTV.

Sem comentar números, a fonte contactada pelo i garantiu apenas que os valores que o Benfica pretende têm por base "valores fundamentados, como a marca Benfica e os elevados níveis de audiências televisivas" que os jogos do clube geram. Fora de causa, garante, está a existência de conversações preliminares com outros operadores, nomeadamente a Portugal Telecom, parceira do clube no canal Benfica TV.

"Não houve conversas prévias, porque a Olivedesportos tem direito de preferência. Se depois a PT estiver interessada em participar nesse concurso internacional, poderá fazê-lo. O Benfica não descarta nenhum cenário", disse a mesma fonte. Entre as opções que o clube mantém em aberto está a exploração dos direitos dos jogos do clube na Benfica TV. A alternativa poderia contar com o apoio da PT, que detém o exclusivo do canal do clube na sua plataforma de televisão Meo.

Os estudos que o Benfica tem em sua posse para sustentar os valores que vai pôr sobre a mesa não ignoram, aliás, o impacto que essa decisão poderia ter no mercado audiovisual: se a SportTV perder os direitos dos jogos do clube e se estes passarem a ser emitidos na Benfica TV, a Meo passa a ter em sua posse o exclusivo de um dos conteúdos mais apetecidos da televisão portuguesa. "Contas por alto, a migração de 100 mil assinantes da Zon para a Meo pode representar um encaixe de mais de 20 milhões de euros anuais", estima a mesma fonte.

Até ao fecho desta edição, as administrações da PT, da Olivedesportos, da Zon e da SportTV não estiveram disponíveis para comentar este processo.

Com Filipe Paiva Cardoso e Rui Catalão

1 comentário:

Rute Lopez disse...

E fazem eles bem, se querem ver o melhor futebol de portugal que paguem bem ^^

bjinhos*