setembro 17, 2010

Tempo Útil _ João Gobern



A guerra e as armas

Podia ter sido perfeita a noite de ontem para um Benfica convalescente, não fosse aquele indicador esquerdo de Cardozo cruzado sobre os lábios, “reclamando” silêncio dos que o assobiavam. O adversário, incómodo durante algumas passagens da partida, nunca chegou a assustar o campeão nacional. Ainda assim, obrigou-o a correr e a mostrar, a espaços, o regresso da frutífera pressão alta da época passada. Deixou brilhar Aimar, que é de facto um prazer singular sempre que se mostra em condições e sempre que a equipa percebe que pode confiar nele para desequilíbrios e repentismos. Confirmou a absolvição de Roberto que, aos poucos, lá vai explicando a aposta do técnico e da entidade empregadora. Apostou no coletivo em que Carlos Martins, Luisão, Javi García e Maxi Pereira tiveram direito aos seus episódios de redenção. Fundamentalmente, permitiu que o Benfica tivesse, enfim, uma entrada vitoriosa à terceira competição oficial em que se envolve esta época.

A Supertaça foi perdida sem glória perante um adversário superior. O campeonato, por força do já decorrido, há-de ser feito a correr de trás para a frente, sabendo-se que esta está, por enquanto, a uma distância que era impossível de prever. Mais do que isso, o Benfica precisa de triunfos claros – e não de favores da arbitragem – para sustentar o duríssimo comunicado lançado anteontem pelos seus corpos sociais.
A razão é fácil de entender: o Benfica não elegeu um alvo, multiplicou-os. Confesso que os compreendo quase todos, à exceção do tiro ameaçado à Taça da Liga – só explicável como um lembrete ao novo presidente da Liga de que os campeões estiveram entre aqueles que ajudaram a conquistar o posto e não admitem ser prejudicados perante silêncios complacentes. Laurentino Dias e Vítor Pereira são, ao invés, escolhas óbvias. O “toca-e-foge” de um e o acumular de erros de outro puseram-nos a jeito para a artilharia pesada do maior clube português.

O apelo aos adeptos para se ausentarem dos jogos que a equipa dispute fora do Estádio da Luz chega para pôr muitos a fazer contas. A rutura das negociações com a Olivedesportos é provavelmente a maior demonstração de forças do clube. Tudo junto, significa que o Benfica decidiu avançar, já em setembro, para uma salada de frentes de batalha que só não serão desgastantes se houver resultados e exibições como suporte armado dessas declarações de guerra. O primeiro efeito foi conseguido: o Sporting, cujos arautos tantas vezes se queixam de ser o mais prejudicado das arbitragens, trocou o médio prazo pelo imediato, os princípios pelo imediatismo, e veio falar de pressão sobre o jogo de domingo. Típico de quem trocou o espírito ganhador pela “ambição” de perder por poucos.


In Record

Sem comentários: