maio 04, 2012

Entrevista de J.Jesus a "A Bola"

J. Jesus: “Chegando-se ao Benfica não se pode andar para trás”

O treinador da equipa de Futebol profissional do Sport Lisboa e Benfica, Jorge Jesus, concedeu uma entrevista ao Jornal “A Bola” onde fez uma análise à época que agora finda e assume que já está a preparar a nova temporada ao comando do leme da “águia”. Leia aqui o excerto da entrevista presente na edição impressa desta quinta-feira do Jornal "A Bola".

Para que não haja equívocos, e de forma muito frontal, por si continua no Benfica?

Quando cá cheguei em Junho de 2009 vinha com uma ideia do que era o Benfica e com a ambição de ganhar. Efectivamente, estava longe de imaginar exactamente qual era a dimensão do Benfica e é evidente que gostaria de ter ganho mais títulos daqueles que ganhei, mas sinceramente sei que dei tudo e deixei o melhor de mim em cada dia de trabalho. Tenho a consciência tranquila em relação ao que fiz. A resposta é sim. Sim, vou continuar com a mesma vontade, com a mesma determinação. Continuo empenhado em fazer do Benfica aquilo que os sócios e adeptos esperam. É evidente que a emoção conta sempre em momentos como este, mas se forem fazer uma análise seria do trabalho que foi desenvolvido três anos acho que mereço pelo menos o benefício de provar que continuo a ser útil ao Benfica.


Teve, ou alguém teve por si, algum contacto com o FC Porto ou com outo clube, visando a próxima época?

Estou farto dessa insinuação que é repetidamente feita com a única intensão desgaste. Estou no Benfica de corpo e alma e não estou interessado em qualquer outro projecto. Quando se chega ao maior clube português alguém pode querer andar para trás? Isso é um completo disparate. Já agora, também lhe devo dizer que estou farto de ouvir e ler que a questão de eu continuar ou não se deve simplesmente ao dinheiro. Totalmente falso. Não é pelo dinheiro que estou no Benfica. Se fosse por uma questão financeira teria saído do Benfica em Janeiro para o estrangeiro e o presidente sabe disso porque acompanhou a abordagem que me foi feita por um clube de outro país. Quero continuar no Benfica porque me sinto útil e porque as pessoas acreditam no meu trabalho.              


Portanto, a questão FC Porto é um assunto encerrado?

Esse é que é o problema, é que nunca foi assunto. A única coisa que quero do FC Porto é ganhar-lhes. Repito: quem alcança o topo não pode ambicionar a descer. Alguém dizia aqui há alguns meses que treinar determinado clube era a sua ‘cadeira de sonho’. Eu não estou na minha cadeira de sonho, estou na cadeira que qualquer treinador do Mundo ambicionava ter. Acha possível eu querer trocar de cadeira? O que eu quero é continuar nesta cadeira por muitos anos…

Apostou de mais na Champions?

Quando se joga a esse nível é evidente que temos de aspirar a chegar o mais longe que pudermos, até porque a questão financeira é fundamental para o clube e tudo isso pesa. A partir do momento em que ultrapassamos a fase de grupos, quando se colocou em causa a calendarização dos jogos, hoje possivelmente assumiria opções diferentes, mas lá está, há sempre o reverso da medalha: há jogadores que se valorizaram como não teriam valorizado se não chegássemos onde chegámos, houve muito dinheiro a entrar no clube e tudo isso pesa nas opções que assumimos no momento. E já agora, não é para nos desculparmos, até porque seguramente errei em alguns momentos, mas houve a partir de determinado momento um vento contra que soprou muito forte.

Considera que o plantel do Benfica é equilibrado? A estrutura que apoia a equipa sénior é sólida?

A equipa é equilibrada, mas é evidente que há margem para crescer e melhorar. Quando termina uma época há sempre espaço para algumas mudanças. Há que reflectir onde é que se falhou, onde é que se pode melhorar quer no plantel, quer na estrutura, e isso também vai acontecer no Benfica. Seguramente que haverá áreas em que chegaremos à conclusão de que poderíamos ter feito de forma diferente ou que faltou alguma coisa, mas esse é o trabalho que iremos fazer mal o campeonato termine. Mas há uma coisa de que não me posso queixar que é o grau de profissionalismo de toda a estrutura que me rodeia, o António Carraça veio acrescentar valor ao grupo e isso é importante de destacar.

 Em três anos venceu um campeonato, três Taças da Liga, qualificou o Benfica três vezes para a Champions, foi a uma meia-final da Liga Europa e aos quartos-de-final da Liga Europa e da Champions. Estes resultados satisfazem-no ou sabem-lhe a pouco?

Sinceramente, quando olho para trás sabem-me a pouco. Esta lista poderia ter no mínimo mais dois ou três trofeus. Mas não vou ficar agarrado a olhar para trás, o que vou fazer é trabalhar para que no próximo ano alguns desses trofeus que nos têm escapado possam estar nesta lista. Quando cheguei a minha ambição era ganhar dois campeonatos nos primeiros três anos. Não consegui, mas posso garantir-lhe que vou sair do Benfica com o Benfica por cima e que esse titulo terá de ser ganho no próximo ano. Há uma coisa que devo dizer, devo muito ao Benfica, o Benfica valorizou-me enquanto treinador. Sei que hoje, enquanto treinador, tenho o reconhecimento que não teria se aqui não estivesse, e é por isso que me dedico de corpo e alma, para poder retribuir tudo o que me deu.

 Na próxima época haverá o FC Porto do costume (este ano, sem deslumbrar, sagrou-se campeão), um Sporting mais forte e um SC Braga que se habituou aos lugares cimeiros. E que Benfica se deve esperar?

Um Benfica que quer ser campeão, ganhar a Taça de Portugal e a Taça da Liga e chegar o mais longe que for possível na Champions.

 Que mensagem quer deixar aos adeptos? O que podem eles esperar de si na próxima época?

Pedir-lhes que continuem a apoiar-nos. Sei a desilusão que estão a viver, mas também quero que saibam que essa desilusão não é maior que a minha, a dos jogadores, a do presidente. Fizemos um caminho difícil, por isso é fundamental estarmos unidos, porque só assim vamos conseguir alcançar os nossos objectivos.

«Quando se perde, o grau de desânimo é sempre grande» - Jorge Jesus

O treinador do Benfica aceita que lhe apontem erros. Ele, de resto, aponta alguns. Garante, porém, ter a consciência tranquila relativamente às opções tomadas e caminhos percorridos. E diz-se, hoje, tão motivado para trabalhar no clube como em junho de 2009, quando chegou. Diz que, quando sair, sairá por cima.

- Três anos à frente do Benfica representam um longo caminho. Sente-se com condições para enfrentar a próxima época, quer do ponto de vista pessoal, quer do apoio dos adeptos, atendendo a alguns sinais exteriores de contestação que têm sido percetíveis desde a derrota em Alvalade?

- Quando se perde, o grau de desânimo é sempre grande, principalmente num clube como o Benfica e, portanto, esses sinais são naturais em momentos como este. Tenho de os considerar e compreender, porque eu próprio sinto essa frustração, mas posso garantir-lhe que tenho, hoje, a mesma ambição e a mesma vontade que tinha quando cá cheguei no primeiro dia. Podem acusar-me de muita coisa, mas há uma garantidamente de que não podem, de falta de dedicação e de não ter dado sempre tudo pelo Benfica.

- Sente um clima diferente, para pior, à sua volta, no universo dos sócios e adeptos, ou entende que os assobios vêm apenas de uma pequena franja mais radical, responsável pelas paredes pintadas na Luz e em Vila do Conde?

- Repito o que disse atrás, manifestações de frustração são naturais, principalmente quando tínhamos uma perspetiva bem diferente daquela que temos hoje. Como acham que vivi alguns dos dias que se seguiram a alguns jogos em que perdemos pontos? Mas alguém pode acreditar que não demos tudo para chegarmos ao fim em primeiro? Portanto, eu partilho dessa frustração e repito que temos de compreender a desilusão dos adeptos. Mas já não posso compreender, como também já disse no passado, as pinturas feitas, não se sabe por quem, e que colocam em causa a pessoa responsável por hoje existir o Benfica tal como o conhecemos.


"gamado do fórum Glorioso SLB"  não resisti a colocar aqui...!

Sem comentários: