maio 20, 2012

Jogo Limpo _ António Pedro Vanconcelos


Cinco em um

1 Desde o Apito Dourado que não me lembro de um campeonato tão escandalosamente condicionado pelas arbitragens. Se, no início, o Sporting teve razões de queixa, a partir do último terço o Benfica foi descaradamente “prejudicado”, na razão inversa em que o FC Porto foi beneficiado. Na última jornada até se inventou um penálti a favor do Braga, que iria tirar a Cardozo o troféu do melhor marcador, não fora o paraguaio, em cima do minuto 90, ter tido o justo prémio para a sua persistência.

2 O desfecho do Apito Dourado, apesar de ter havido árbitros castigados, permitiu ao FC Porto desvalorizar a condenação desportiva do Apito Final (perda de 6 pontos, não contestados, e castigo de 2 anos ao seu presidente) e levou a que se tivesse mantido o clima de suspeição generalizada sobre os árbitros, em que por vezes paga o justo pelo pecador. Há excelentes árbitros em Portugal, mas o facto de terem reações corporativas sempre que a honorabilidade de um deles é posta em causa (veja-se o que se passou com os ataques do Sporting a João Ferreira) impediu-os, nessa altura, de separar o trigo do joio e de contribuir para o saneamento da arbitragem em Portugal.

3 O chefe do FC Porto, ébrio de entusiasmo por um título que lhe caiu do céu, chamou ao Benfica “o clube do fascismo”. Ele sabe que é uma calúnia. Grave. Mas, tal como Jardim, na sua ilha, acha que pode dizer o que quer porque pensa, como Goebbels, que “uma mentira muitas vezes repetida torna-se verdade”. Eu prefiro pensar, como Lincoln, que se “pode enganar toda a gente durante algum tempo e alguma gente durante todo o tempo, mas não se pode enganar toda a gente durante todo o tempo”. Não há por aí um portista honesto que lhe diga: “Por que não te calas?!”

4 Roberto foi eleito o melhor guarda-redes da liga espanhola em 2011/12.

5 O “Sol” revela que Jesus é o melhor treinador português que passou pelo Benfica, e o 4º, entre portugueses e estrangeiros, com melhores resultados dos últimos 40 anos, à frente de Eriksson e ligeiramente atrás de Baroti e de Mortimore.


In Record

1 comentário:

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.