janeiro 09, 2013

Taça da Liga SLBenfica – Académica, 3-2


SLBenfica – Académica, 3-2: Uma lição com direito a meia-final

A equipa de Futebol profissional apurou-se esta quarta-feira para as meias-finais da Taça da Liga, ao vencer a Académica de Coimbra, por 3-2. Lima (dois golos) e Kardec foram os marcadores de serviço, numa partida onde o Benfica deu, mais uma vez, uma lição de futebol.

Um jogador – mesmo o melhor do mundo – tem sempre algo para aprender e evoluir. No conjunto orientado por Jorge Jesus, os “alunos” que entram em campo nem sempre são os mesmos, mas isso não é sinónimo de quebra de qualidade ao nível da produção de jogo.

Depois de ter derrotado o Estoril no domingo, dia 6, para o Campeonato Nacional, o técnico benfiquista apresentou um novo figuro diante da Académica de Coimbra, com realce para a titularidade de Roderick Miranda, André Gomes e Pablo Aimar.

Num jogo em que estava em discussão o acesso às meias-finais da Taça da Liga, a equipa da Luz entrou muito consistente no encontro, trocando muito bem a posse de bola entre os seus jogadores, não se notando qualquer diferença relativamente aos jogos anteriores.

As oportunidades também falaram por si, como aconteceu com um remate muito perigoso de Nolito (19’), um cruzamento de Ola John (31’) -  Lima quase fez o desvio certeiro - e um pontapé fortíssimo de André Gomes (34’). Foi um prenúncio para o que veio uns minutos mais tarde. Bruno César fez um passe longo para Lima e este isolou-se para a baliza de Peiser, onde contornou, precisamente, o guarda-redes forasteiro e rematou para o fundo das redes (39’).

No período de descontos do primeiro tempo, a Académica de Coimbra, sem saber bem como, chegou à igualdade. Makekele conquistou a bola no início do meio-campo defensivo benfiquista e fugiu em direcção à baliza defendida por Paulo Lopes, que não conseguiu evitar o tento.

Se o resultado ao intervalo já não espelhava o que se tinha passado dentro das quatro linhas, o golo do início do segundo tempo da Académica aumentou a injustiça. Depois de Bruno César ter estado perto de marcar para o Benfica (47’), Saleiro respondeu e deu, então, a vantagem aos “estudantes” (49’).

Reviravolta em quatro minutos!

O resultado colocava os visitantes nas meias-finais da Taça da Liga e Jorge Jesus operou duas substituições – entradas de Carlos Martins e Kardec - para tentar inverter o rumo dos acontecimentos. A resposta não podia ter sido melhor. Ola John fez um cruzamento do lado direito do ataque e Alan Kardec surgiu a cabecear com êxito (61’).

 
Os adeptos nem tiveram tempo para festejar, uma vez que, após um passe subtil de Kardec, Lima voltou a disparar para o fundo das redes de Peiser (65’). Nesta altura, o argentino Salvio também já estava em campo para dar o seu contributo à formação da casa.
Do lado do conjunto de Coimbra, a desorientação foi notória a seguir ao terceiro tento “encarnado”, com Ferreira, jogador que tinha cometido várias entradas perigosas, a receber, finalmente, ordem de expulsão por parte do árbitro Manuel Mota (68’).

Em vantagem no marcador e com mais um jogador em campo, o Benfica controlou as operações até ao final, nunca descurando a procura da baliza contrária. Ola John (74’) e Carlos Martins (85’) estiveram perto de ampliar o marcador.


A equipa, actual detentora do troféu, conseguiu, assim, o seu objectivo de estar nas meias-finais da competição, onde vai defrontar – fora de casa – o SC Braga. Este jogo está previsto para o dia 27 de Fevereiro.

O Sport Lisboa e Benfica alinhou com a seguinte equipa: Paulo Lopes, Maxi Pereira, Jardel, Roderick Miranda e Luisinho; André Gomes, Bruno César (Carlos Martins, 57’), Nolito (Salvio, 63’), Pablo Aimar (Kardec, 57’) e Ola John; Lima.


Texto: Rui Manuel Mendes
Fotos: Isabel Cutileiro / SL Benfica


2 comentários:

Jotas disse...

Antes de comentar o post, peço desculpa pela ausência, mas algum cansaço momentâneo, e algo farto do comportamento sistematicamente ofensivo or parte de alguns bloggers para com o próprio clube e suas gentes, fez com que tivesse um tempo afastado destas lides.
Uma vitória difícil mas justa, num jogo que também serviu para dar minutos e ritmo jogadores que por um motivo ou outro, há muito que têm andado arredados da competição, casos de Aimar, Carlos Martins e Roderick, por isso naturalmente, a rotina e a intensidade deste 11 não pode ser igual ao 11 habitual.

RedCristal disse...

Amigo faz bem descansar destas lides por vezes.

BEM VINDO