novembro 25, 2010

O Voo da Águia_ Marta Rebelo


O regresso das quinas

Em fim-de-semana de Taça e com o Benfica-Sp. Braga adiado, dedico estas linhas à reflexão. Haverá quem lhe chame “bater no ceguinho”, “malhar no morto” ou expressões semelhantes. Mas as vacas gordas de quarta-feira passada, como disse e bem Paulo Bento, só dão “prestígio”.

É extraordinária a diferença entre a Seleção que enfrentou a Espanha no Mundial, em junho, e a que se apresentou na Luz para, juntamente com os campeões da Europa e do Mundo, promover a candidatura Ibérica à competição maior do futebol de nações.
Não há volta a dar: Carlos Queiroz deu cabo disto. Sempre afirmei o meu desgosto profundo por ter o professor à frente da Seleção. E tinha razão. Preferia não ter. Preferia não ouvir o CR7 e companheiros a dizer nas entrelinhas “andaram a tramar-nos”. Mas é importante mantermos na memória os últimos dois anos do nosso futebol. Pelo seguinte: os convocados por Paulo Bento são sensivelmente os mesmos, com Carlos Martins, Moutinho, Nani e Pepe recuperados; a estrutura federativa – mal, muito mal – é a mesma. Os resultados, as relações de trabalho e o salário do selecionador é que são outros. Um treinador que não é doutorado senão na sua tranquilidade própria, que saiu do SCP com o clube em baixa mas que desconhece a soberba vaidosa e fala para interlocutores de qualquer altura. Que não segrega à mesa de jantar, estrelas das chuteiras para um lado e roupeiros para outro. E que tinha dois jogos de qualificação para ganhar e uma candidatura para promover – ganhou os três.

Mas a estrada ainda está cheia de buracos. Serão muitos meses sem jogar e a mesma urgência desgraçada em ganhar todos os jogos de sempre. Mas mesmo sem bandeiras à janela, quarta-feira as quinas regressaram à bandeira verde e rubra.

  In Record

Sem comentários: