dezembro 01, 2011

Futebol á Portuguesa _ José António Saraiva


FC Porto e Sansão

A grande incógnita desta época em Portugal chama-se Hulk. O que valerá este FC Porto sem Hulk? Na Ucrânia, Hulk esteve nos dois golos: marcou um e “inventou” o outro. Contra o Braga, Hulk esteve nos três golos: marcou dois e ofereceu o outro.

Hulk é um perigo onde quer que esteja. Se está perto da linha final, mesmo que seja junto à bandeirola de canto, parece um touro a libertar-se dos defesas, invade a área e passa para golo. Se está no meio, desmarca-se, corre, chuta e marca. Se está atrás, remata simultaneamente com força e jeito: dos seus pés saem verdadeiros torpedos.

É justo dizer que o FC Porto contra o Braga fez coletivamente um excelente jogo. Foi sufocante, marcou homem a homem em todo o campo, não deu um palmo de terreno ao adversário – e nos primeiros 40 minutos da 2.ª parte a equipa do Braga não conseguiu ter a bola nos pés durante 10 segundos seguidos.

Sucede que, mesmo com este sufoco, o FC Porto não criou situações de golo. Todas as oportunidades acabaram por sair dos pés de Hulk. E isto é que leva a perguntar: sem Hulk, este FC Porto será mais forte ou mais fraco do que Benfica e Sporting?

Se Hulk saísse, o FC Porto encontraria um novo goleador – ou perderia toda a agressividade, como Sansão quando cortou o cabelo?

Só vendo se poderá dizer. Mas, por isso, a grande incógnita do mercado de inverno tem que ver com o destino de Hulk. Ele vai ficar ou vai sair? É que já tem 25 anos, e dentro em pouco começará a perder valor. Até porque boa parte do seu futebol assenta numa pujança física anormal – e essa começará, a partir de agora, a perder-se com o tempo.

In Record

1 comentário:

lawrence disse...

Retenho a da "pujança física anormal qu começará a partir de agora a perder-se com o tempo"!
Logo que saia e que não leve a poção com ele!