dezembro 10, 2011

Tempo Útil _ João Gobern



Mudar ou manter

Foi muito longe do Dragão e muito antes da partida de ontem que o campeão nacional hipotecou as hipóteses de manter incólume a tradição. Ou seja, de ultrapassar a fase de grupos da Liga dos Campeões, fazendo jus a um estatuto europeu que é difícil negar-lhe. Na Rússia, onde costuma ser feliz e encetar recuperações, e no Chipre, onde não lembrava a um careca que pudesse perder da forma ingénua que todos recordamos, aí é que se plantaram as sementes do diabo. Ontem, mais do que a falta de eficácia apontada por Vítor Pereira, há que tirar o chapéu à exibição histórica de Malafeev (na foto) e, de uma forma geral, à muralha defensiva que o Zenit montou e que conseguiu suster um FC Porto enérgico, teimoso e com momentos de puro e simples estrangulamento do adversário.

É verdade que os portugueses somaram 25 remates à baliza, que esmagaram na percentagem de posse de bola, que só viram um lance de perigo iminente por parte dos russos (um cruzamento de Danny que levaria a bola aos pés de um avançado isolado, não fosse Helton ter vestido providencialmente a pele de central). Mas, não fosse o cimento armado dos homens de Leste, e os números seriam calamitosos. É verdade que João Moutinho (com passes magistrais), Defour, Fernando, Alvaro Pereira, Rolando (um regresso às boas exibições), Djalma (consistente até a defender) e James Rodríguez mereciam o triunfo na partida em que, pesado e angustiante, o nulo não chegou a desfazer-se. Um pouco mais de Hulk – ou um pouco menos, se pensarmos nos seus excessos – e uma ala direita a funcionar talvez fossem as chaves. Mas, convenhamos, a este nível e à beira de uma proeza inédita para o clube russo, Spalletti não se preocupou com orgulhos e nobrezas: puxou dos galões de disciplinador tático e montou o seu bloco de maneira a tornar quase impossível que o FC Porto tivesse espaço físico para pensar o que queria fazer.

Dir-se-á agora que Vítor Pereira já desperdiçou dois dos objetivos da época (depois da queda abrupta na Taça de Portugal e não contando aqui a Supertaça Europeia diante do colosso Barcelona). É verdade que, transitando para a Liga Europa, a equipa vai ter mais jogos (a final fica à distância de mais uma eliminatória) e, sobretudo, menos dinheiro. Mas, do ponto de vista psicológico, a eliminação do Benfica na Madeira já veio amenizar as dores de alma. Na competição internacional, não há como excluir o FC Porto – detentor do troféu – da lista de favoritos. No campeonato, o ombro a ombro mantém-se. Com tudo ponderado, talvez Vítor Pereira tenha ganho salvo-conduto até final da época. Ou, pelo menos, até ao princípio do ano, quando visitar Alvalade. Mudar ou manter? São sempre “verbos provisórios”, no cenário do futebol.

In Record

Sem comentários: