abril 15, 2011

O Voo da Águia_ Marta Rebelo



Vingança

Sem Jesus no banco, e com a equipa D em campo, o Benfica foi à Figueira da Foz fazer o jeito ao sempre glorioso Carlos Mozer e à sua Naval 1.º de Maio, em risco de despromoção. Não há história neste jogo, que essa está toda reservada para quinta-feira, em Eindhoven. Sem frangos a registar – Roberto não foi convocado –, o aviário benfiquista não deu ovos. E também não encontro grande história no castigo de Jorge Jesus.

Já para os lados do Porto, André Villas-Boas encheu o peito esta semana, em cada segundo de tempo de antena. Mas, curiosamente, celebrou pouco a conquista da Liga aos 33 anos. Preocupa-o mais o Benfica. Depois do apagão e da molha – não comento –, o aristocrático candidato a Mourinho acha que a façanha é de somenos ante as preocupações que o Benfica lhe dá. Bem sei que o Sport Lisboa e Benfica é o maior clube de Portugal, e um dos melhores da Europa e Mundo fora. Somos 6 milhões e muitos. Portanto, conquistar a Liga pelo clube da Invicta tem um sabor menos... grandioso. Mas se continua tão preocupado com o Benfica e com os castigos de Jorge Jesus, e com o que diz Jorge Jesus, qualquer dia até com as madeixas tão variadas de Jorge Jesus, até Pinto da Costa começa a desconfiar.

Ao meu glorioso clube cabe agora passar às meias da Liga Europa. Confesso que me senti vingada na quinta-feira passada. Para mim, o PSV será sempre o carrasco de Estugarda; o Diamantino de pé partido esticado a ver a partida do lado de cá da linha; as chuteiras voadoras; e o penálti perdedor de Veloso. Um destes dias o Toni confessou-me que nesse dia tinha paralelepípedos no estômago. Pois eu levei um murro inglório no meu estômago de 10 aninhos. Aimar foi genial, Gaitán já vale 23 milhões, mas Coentrão já me faz saudades. O caxineiro fez-se o melhor de muitos e dentro em breve o maior de todos. Já Roberto, esse portentoso aviário industrial que o Benfica edificou pela bela soma de 8,5 M€, é pior de que a gripe das aves. Se Jardel já mostrou que Sidnei não faz falta a defesa-central, como é que tratamos da baliza? Com cimento?

E agora, míster? 

In Record

Sem comentários: