março 21, 2011

Tempo Útil _ João Gobern

 
Sinais de fogo

Com o campeonato entregue, já antes de Jorge Jesus ter demonstrado que quando fala em “poupanças” quer dizer “forretice”, tantas foram as alterações que o Benfica apresentou no domingo, com a Taça da Liga à espera de uma final de festa, com a Taça de Portugal em banho-maria, à espera do segundo embate entre os “grandes” e também do reencontro de Académica e Vitória de Guimarães, com a Liga Europa a arriscar-se – oxalá! – a contar com três clubes portugueses entre os oito sobreviventes, o universo futebolístico lusitano tinha de arranjar motivos de distração. Escolheu os piores.
Primeiro: a agressão a Rui Gomes da Silva, vice-presidente do Benfica e comentador televisivo. Dizer que foi cobarde é classificar por baixo; dizer que representa aquilo que de pior pode presenciar-se, no futebol como na vida, não vale como espelho da indignação que todos os homens de bem deveriam sentir perante um facto desta natureza, perante o cercear das liberdades de opinião e de expressão. Infelizmente, não é inédita. Presumivelmente, não será a última enquanto as massas de Benfica e FC Porto forem alimentadas pelo ódio e pela negação de convivência pacífica. O visado olhou a questão de forma correta e pedagógica, evitando confundir o sucedido com um clube, uma massa associativa, uma cidade ou uma região. Boas reações tiveram os técnicos benfiquista e portista, cada um ao seu estilo. Lamentável foi a atitude de Pinto da Costa, outra vez enlevado pelo seu próprio discurso. Ora o eterno presidente do FC Porto sabe que, faltando pouco tempo para as deslocações da equipa à Luz, as suas palavras (“simular”, “palhaço”, “vencê-los”) são pura dinamite. Por essas e outras é que às vezes fica a dúvida se ele não será um apóstolo da política da “terra queimada” e do “quanto pior, melhor”. Para já não falar das carências que, no seu caso, são realmente crónicas: a falta de cavalheirismo, de dignidade e de elegância. Espero sinceramente que a indiferença civilizada das claques e adeptos benfiquistas sejam a tónica nos próximos encontros entre os clubes – em Pinto da Costa, a única bofetada que vale a pena é a de “luva branca”. Ou seja, a que não se mistura com violência e velhacaria.
No Sporting, a quimera do ouro parece nortear as eleições: ganhará o mais rico, triunfará aquele que fizer mais promessas de injeção de capital? Faltam programas e ideias, sobram nomes e extravasam insultos. Dir-me-ão que, passadas as eleições, tudo se esquece. Não acredito que a calúnia ou o ataque vão desaguar tão facilmente na falta de memória. Relembro Churchill, que explicou à sua bancada parlamentar: “Do lado de lá [trabalhistas], temos adversários. Os inimigos, esses sentam-se ao nosso lado.”

In Record

Sem comentários: