maio 09, 2011

Aqui á Gato _ Miguel Góis


Saber sofrer

A primeira coisa que me consola é perceber. Perceber como é que esta época pôde acontecer. Nessa medida, quero ver o meu presidente e o meu treinador a falarem dos erros que foram cometidos, e sobre o que se vai fazer no futuro para evitar que o clube os cometa de novo. Por exemplo, por que é que a equipa que marcou quatro golos em casa ao Lyon e ao PSV não consegue marcar um golo fora ao Braga e, já agora, ao Hapoel? Por que é que os jogadores, de há uns tempos para cá, parecem arrasados física e mentalmente? Por que é que Javi García joga tão recuado, quase como terceiro central, contra equipas que alinham apenas com um ponta-de-lança (FC Porto e Braga), deixando um buraco no meio-campo? Por que é que Airton não joga ao lado de Javi García contra equipas que povoam o meio-campo com três jogadores (FC Porto e Braga), se tão bons resultados essa dupla teve na segunda parte da final da Taça da Liga, quando o Paços de Ferreira começava a dominar o meio-campo? Por que é que não há um plano B para quando equipas como FC Porto e Braga nos fazem pressão alta? Por que é que certas atitudes individualistas de Gaitán e, sobretudo, de Jara (e, sim, refiro-me à forma absurda como nasce o primeiro golo do FC Porto na Luz, na meia-final da Taça de Portugal), parecem passar impunes?

De seguida, quero ação. Quero que o Benfica renove com Maxi Pereira já esta semana. Quero que o Fábio Coentrão fique no clube e seja aumentado, passando a ser o mais bem remunerado jogador do plantel. Quero que se faça uma boa oferta ao Atlético Madrid por Salvio, que já demonstrou vontade de ficar no clube. Quero que Pablo Aimar, de quem se diz estar de saída, não saia, apesar do bom ordenado que aufere – ele merece-o (na final da Taça da Liga, para além da magia do costume, pareceu-me o jogador em campo que mais bolas recuperou).

Outros preferirão ver cabeças a rolar. Eu quero levantar a cabeça.

 In Record

Sem comentários: