outubro 01, 2011

Contra a Corrente _ Leonor Pinhão



A semana em que Fucile nem sequer devia sair de casa

Jorge Sousa apitou para o fim de jogo no Dragão e ao meu lado um familiar mais jovem sai-se imediatamente:

- Razão tinha o Fábio Coentrão… Se tivéssemos jogado alguma coisa tínhamos dado 4-0…

Referia-se à entrevista dado pelo ex-benfiquista ao diário O Jogo e publicada na véspera do clássico com o grande e merecidíssimo destaque na primeira página do jornal nortenho.

Coentrão, de longe, do estrangeiro, apostava ontem numa vitória por 4-0 da sua ex-equipa na visita à casa dos campeões nacionais.

É verdade que a prosápia de Fábio Coentrão, o nosso cônsul em Madrid, só encontrou nos últimos 15 minutos da exibição do Benfica no estádio do Dragão.

Quarto de hora deveras inspirado que foi bastante para empatar o jogo e para deixar em maus lençóis Vítor Pereira prontamente acusado de ter mexido mal na sua equipa, retirando do campo Guarin, o melhor portista em campo, para fazer entrar Bellushi, que mal conseguiu ser discreto.

E a discrição é, sem dúvida, um belíssimo atributo na vida social mas é uma qualidade absolutamente indispensável num jogador de bola atirado para a fogueira viva de um despique entre arqui-rivais.

Foi um clássico dividido, equilibrado e nem o quarto de hora à Benfica justificaria outro resultado que não fosse o empate embora, coisa rara, tenha havido um sentimento geral de insatisfação entre os nossos adeptos quando Jorge Sousa se limitou a dar 3 minutos de tempo de compensação num campo onde, normalmente, o tempo custa imenso a passar.

- Malandro! Devias dar 5 minutos!

Queriam mais tempo de jogo os benfiquistas tal era o empolgamento vendo o FC Porto encostado as cordas perante a cavalgada final dos Jesuses.

- Só o Fucile esteve mais de 3 minutos a rebolar no chão!

- Podia perfeitamente dar 7 minutos de compensação!

Em nome do bom senso, estas prosápias são sempre de evitar, mas como evitá-las quando vemos o nosso poderoso adversário a suspirar pela clemência de um duche morno no balneário frio?

De um modo geral, o jogo não quizilento como quase sempre acontece quando os dois emblemas se defrontam. E Maxi Pereira merece o prémio fair Play do clássico por ter não se ter deitado ao chão a rebolar e por ter respondido com um sorriso condescendente a uma ameaça de cabeçada do incrível Hulk.

E foi precisamente a partir daí que as coisas começaram a correr muito bem.

SÁBADO, 24 DE SETEMBRO

O Sporting de Braga de Leonardo Jardim mostra-se sólido e confiante. Ganhou por 2-0 com um golo do Nuno Gomes está agora com os mesmos pontos do FC Porto e do Benfica no topo da classificação.

O Sporting dá sinais de recuperação a todos os níveis e produzindo um quarto de hora à Benfica despachou o Vitória de Setúbal com grande limpeza logo na abertura do jogo.

O Sporting é agora o 4º classificado e tudo indica que o mau tempo já passou.

DOMINGO, 25 DE SETEMBRO

O Sporting desceu para o 5º lugar porque o Marítimo, sem o Cléber, ganhou hoje ao Vitória de Guimarães por 2-1, deu um salto na tabela e ultrapassou os leões.

SEGUNDA-FEIRA, 26 DE SETEMBRO

O Sporting, sem jogar desceu mais um lugar na tabela. Hoje é o 6º classificado porque a Académica de Pedro Emanuel ganhou ao Feirense por 4-0 e roubou a anterior posição aos Paciências.

Mudando de assunto…

Está instalada uma pequeníssima polémica entre Vítor Pereira e Jorge Jesus. Pereira acusou Jesus de ter ido jogar para o empate ao Porto e Jesus respondeu dizendo que não foi ele que fez substituições para «garantir um ponto».

De qualquer modo, ouvindo falar os adeptos das duas equipas, fica-se com sensação que os portistas estão mais aborrecidos com o seu treinador do que os benfiquistas estarão com o seu. Mas uma coisa é certa, os portistas podem desconfiar de Vítor Pereira mas continuam a confiar a mil por cento no seu presidente.

Por exemplo, um muito querido amigo meu portista, David Almeida, disse-me hoje, sem se desmanchar, ter a certeza absoluta que o presidente Pinto da Costa já tinha José Mourinho, em apuros em Madrid «de prevenção» para substituir Vítor Pereira a qualquer momento. E terminou assim: «e ainda vamos ganhar este ano mais uma Liga dos Campeões com o Mourinho!»

Gosto tanto de futebol.

TERÇA-FEIRA, 27 DE SETEMBRO

O milionário madeirense Joe Berardo deu uma entrevista ao diário Económico que fez uma bonita primeira página com a declaração mais interessante do grande patrono das artes.

Berardo, que se confessa desde sempre benfiquista, disse ter chegado ao ponto do desespero na sua paixão pelo clube, há uns anos, via o Benfica fraquinho e sem condições de lutar por títulos. E, vai disto, afirmou-se como o autor de uma proposta invulgar a um destinatário invulgar: Berardo, diz ele, ofereceu 500 mil contos a Pinto da Costa para trocar a presidência do FC Porto pelo Benfica.

Isto ainda se passou no tempo dos contos, naturalmente.

Pinto da Costa ainda não comentou, com a ironia do costume, esta proposta do madeirense mas, certamente, deve ter ficado chocado com o preço.

Desportivamente, esta história não oferece grandes lições. Já do ponto de vista da Troika, trata-se apenas de mais uma achega que pode ajudar a explicar o buraco financeiro destapado na Madeira.

Sim porque, ficou definitivamente, provado que estes madeirenses são loucos.

Hoje o dia acabou com uma vitória do Benfica na Roménia contra os coisos, foi assim que passamos todos a semana a tratar a equipa campeã Romena porque, na verdade, tem um nome que não é nome nenhum em termos historial internacional.

Por isso mesmo foi particularmente saborosa a vitória, mais os 3 pontos, mais os 800 mil euros, tudo arrecadado com um só pontapé de Bruno César que respondeu, uma vez mais, muito bem à confiança que Jorge Jesus tem nas suas capacidades de jogar, lutar, correr e fazer golos.

O Empate do Basileia em Manchester foi a sensação desta terça-feira de Liga dos Campeões. Os comentadores, hoje relatadores, os analistas de serviço viram nesta semi-proeza suíça uma grande complicação para o Benfica. E os adversários internos do Benfica olham agora para o Basileia com grande carinho e simpatia.

É caso para se dizer que até parecem que são do Basileia desde que nasceram porque foi com grande desgosto que assistiram ao golo do empate do Manchester United já bem pertinho do fim do jogo.

Mas que grande falta de patriotismo, francamente.

QUARTA.FEIRA, 28 DE SETEMBRO

O FC Porto faz hoje 118 anos de vida segundo o calendário papal e 105 anos de vida segundo o Borda d’Água.

E, em São Petersburgo, não teve o presente de que certamente estava à espera. Um Zenit menos perdulário poderia ter alcançado um resultado ainda mais surpreendente embora perder por 1 golos ou perder por 3 ou perder por 5 seja exactamente a mesma coisa no que diz respeito aos interesses do país: são menos 800 mil euros que entram no tesouro nacional e que tanta falta nos fazem.

O árbitro não foi o Jorge Sousa, foi um inglês qualquer que se atreveu a expulsar o Fucile que está a viver uma daquelas semanas em que melhor seria nem sair de casa


Sem comentários: