outubro 27, 2011

O Voo da Águia_ Marta Rebelo


Suada

Vencer em Aveiro revelou-se tarefa digna de um verdadeiro candidato a campeão: aquele que, em todas as frentes, com diferentes constituições do plantel mas a mesma estrutura de equipa, com as geometrias variáveis inerentes à competição onde concorre, sai vencedor. O Glorioso estava cansado, Jesus teve de dar descanso às pernas de muita gente, e esbarrou num Beira-Mar pleno de dificuldades para os nossos. Ganhámos, e os três pontos souberam que nem ginjas.

Cardozo, aquele com o qual cada benfiquista mantém uma relação de amor-ódio, é outro homem. Desde que descobriu que tem a cabeça a prémio, com Rodrigo a espreitar a qualquer esquina e a revelar já de início uma enorme panorâmica de jogo e capacidade concretizadora, o paraguaio sente o chão a fugir-lhe debaixo dos pés – ou o traseiro a sentar-se no banco – e inventa menos. Muito menos. Quando Rui Rego, o menos batido dos guarda-redes da Liga, sai mal e afasta a bola para a zona de Cardozo, este não fez o seu exercício mental do costume. Antes de Rodrigo, o Tacuara pensaria “ora agora o que fica aqui bem é uma pirueta, um pontapé de bicicleta ou uma desmarcação em jeito”. Depois de Rodrigo, Cardozo não pensa, marca. Fez o simples, o que para ele é uma complicação.

Foi um Benfica em gestão de jogo e de pernas, aquele que jogou sábado à noite. Com dois alas comprometidos: Emerson revelou-se nervoso, ainda sob o efeito do vermelho frente ao Basileia; Ruben Amorim nervosinho estava, a perder bolas, a fazer muita falta, a perder o esférico onde não devia e a deixar saudades de Maxi Pereira. Pior: se na receção aos suíços vamos ter Maxi à esquerda, a solução primeira para a direita é precisamente Amorim. E a prestação do português deixou os benfiquistas com nervoso miudinho, porque o flanco vai ressentir-se.

O Beira-Mar esteve no campo todo – com destaque para Joãozinho, que até ser substituído parecia omnipresente – e o Benfica sofreu à campeão. Quando teve hipótese marcou, e suou, transpirou a vitória por todos os poros. Se eu queria mais Benfica? Queria, muito mais. Mas quero mesmo os primeiros lugares: na Liga e na Champions. Venham os suíços, que já comia três ou quatro quadrados de chocolate.

In Record

1 comentário:

Anónimo disse...

mais uma artista a viver a custa do S.L.Benfica .

esta doutora merece um barco rebelo no tejo e pra santa marta com ela ..