outubro 21, 2011

Crónica de João Malheiro



Dissemelhanças

Há dias, poucos dias, num jantar, um jovem até muito cordial deixou escapar uma inconfidência. Revelou que havia chegado a vereador da sua terra e que projectava, daqui a duas legislaturas, ocupar um lugar de deputado. Há dias, ainda poucos dias, noutro jantar, um jovem não menos cordial também deixou escapar uma inconfidência. Revelou que havia chegado ao Paços de Ferreira e que projectava, daqui a dois anos, ocupar um lugar no plantel do Benfica, do FC Porto ou do Sporting.

A coisa tem tudo de semelhante. Tem, mas não tem. Cordialidade à parte e sinceridade ao pé, protagonizadas pelos dois meus interlocutores, bem que se pode falar de coisas distintas. Dessa coisa do carreirismo e da coisa da carreira. Se o carreirismo é reprovável, a carreira é louvável. Ambas expressões de ambição pessoal, o carreirismo é feio, a carreira até pode e deve ser bonita.

Neste Outubro em que o tempo atmosférico é generoso e o tempo social é cruel, vale a pena tentar perceber o que alicia, nos últimos anos, o grosso da classe política. O apego à causa pública, ao interesse público? Definitivamente, não é. Antes, o apego à causa pessoal e às causas de padrinhos e compadres de circunstância, quer conhecidos quer anónimos.

Antes era honroso fazer política, hoje é horroroso fazer política. Claro que há excepções, sobretudo no limite da coisa, na extremidade da coisa, na antítese da coisa. A coisa é o bloco central dos interesses. Por isso é que o líder máximo da JSD pede, folcloricamente, responsabilidades criminais para Sócrates. Por isso é que o líder máximo da JS pede, folcloricamente, responsabilidades criminais para Alberto João Jardim.

«A história repete-se, a primeira vez como tragédia, a segunda como farsa», sustentava Karl Marx. Pior é que a farsa já vai no enésimo acto. E outra coisa: fazer carreira na bola não é inequivocamente mais digno do que fazer carreira na política?

Sem comentários: