janeiro 03, 2011

Tempo Útil _ João Gobern



O voo da àguia


Gosto, no que ao futebol diz respeito e em boa parte da vida, que se respeitem tradições que fazem sentido, que distinguem e que valem como componentes de um espetáculo que só vistas curtas entendem que se limitam ao jogo. Ninguém de bom senso põe em causa a importância e o arrepio que nascem dos cânticos com que as claques inglesas brindam as suas equipas. Do mesmo modo, quem tenha visto um jogo entre rivais cariocas no velhinho Maracanã, sabe que um dos grandes momentos da tarde ou do serão passa pela libertação de papéis multicoloridos (com as cores dos clubes), de todos os formatos, para saudar a subida dos jogadores ao relvado. Em Portugal, se excetuarmos algumas coreografias no Dragão, vistosas e impressionantes, a ocasião mais distintiva de espetáculo vinha cabendo ao Benfica com o voo de uma águia a emocionar os adeptos, a espantar adversários e visitantes, incluindo jogadores, a encantar os mais novos que, anos passados, ainda recordam a magia daquela descida circular, com aterragem em local previamente determinado.
No último fim-de-semana e por força de incidentes cujas versões são naturalmente desencontradas, a águia “Vitória” não voou. E, para os quase 40 mil que rumaram à Luz, foi pena. Primeiro, porque esse capítulo imperial e tradicional teria calhado bem com a exibição dos jogadores que quiseram despedir-se do ano, deixando a esperança como mensagem pela partida que realizaram. Depois, porque quem visita aquele estádio já tem como garantido aquele preâmbulo que aproveita a elegância e a eficácia de um animal para começar a agitar a pulsação clubística. Ao que parece, o Benfica e o tratador da águia “Vitória” passam, a partir daqui, a ser partes irreconciliáveis. Neste quadro, cabe à direção do clube trabalhar – e tão rapidamente quanto lhe for possível – para que se descubra um reforço que permita que a ausência daquele segmento do show tenha interrupção apenas temporária. Do ponto de vista simbólico mas também em função das razões práticas já enunciadas, ele é muito mais importante do que pode parecer à primeira vista. Até porque a grandeza de um clube não se mede apenas pelos resultados e valores, também se avalia em função da diferença e da singularidade.
Ora, por razões de Natureza, a águia pode garantir ao Benfica algo a que os rivais nunca terão acesso. Em tempos, o Sporting ainda exibiu um leão enjaulado antes dos jogos – triste espetáculo, até pelos paralelos que suscita. Quanto ao FC Porto, nem Jorge Nuno Pinto da Costa, milagreiro noutras frentes, consegue assegurar o concurso de um dragão. De resto, a relação – mesmo que fosse possível – iria chocar com a História. Não foi São Jorge que matou o dragão? Bom Natal para todos.

In Record

Sem comentários: